sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Gosto de trabalhar as 6f á tarde

Quando tudo é mais descontraido.
Gosto qd o meu colega C nos faz companhia e passamos a tarde a rir com as suas piadas inteligentes.
Gosto de homens com carisma.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

A culpa engorda

Esta é a opinião de um grupo de "conhecidas" a quem eu chamo - as pequenas bruxas. Segundo elas não é aquilo que comemos que nos engorda, mas sim, a culpa que surge depois de termos ingerido alimentos calóricos. Eu não sei se acredito bem nisto mas a situação é a seguinte: devorei todas as caixas de doces que tinha em casa em menos de 48h. Estava a sentir-me a mais desgraçada das criaturas sem amor (filmes da minha mente) e pensei que o pior que podia acontecer era ficar mais gorda e infeliz. Mas não... estou só mais gorda mesmo. Toda a gente me diz que não, mas eu sei que a minha mente só me prega partidas amorosas, não é mesmo ficção aquilo que vejo quando olho para o espelho. Mas vou ser generosa cmg, vou pensar que engordei meio kg por causa dos chocolates e o outro meio kg é só culpa :-)
Para me voltar a disciplinar na dieta e exercicio vou usar o blog como diário desta rotina, assim obriga-me a ser mais certinha (só truques).

Então dia 1

De manhã 1 banana
a meio da manhã 1 iogurte liquido magro e duas bolachas de dieta
almoço uma caixa pequena de ervilhas com ovos
lanche 1 maçã
jantar sopa sem batata

(e acreditem que estou a ser branda porque estamos na 1 semana)

Exercicio fisico
1h de caminhada

O primeiro dia já está... falta o resto...

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Não é falta de Amor


Por duas vezes estivemos em ruptura e por duas vezes decidimos ficar juntos. As questões estão identificadas, ele já sabe aquilo em que tem que melhorar e eu já sei que não posso ser tão impulssiva, tão agressiva a falar com ele, porque ele não é agressivo cmg e tenho que ter mais paciência. Aceito. É justo o que pede. Ele não tem culpa dos traumas que outras pessoas me causaram e se há coisa que ele me dá e é disso que realmente preciso é de estabilidade. Tenho que lhe dar um voto de confiança de que irá sempre fazendo melhor. Tal como ele depositou a sua confiança em mim, quando lhe disse que vou ter mais paciência. Temos acordo!

Sobre o Orgulho

Sou super sensivel, de humor instavel, caprichosa, reactiva. Nos afectos preciso de muitas demonstrações de amor. Quero lá saber que seja em publico ou privado, preciso sentir que me amam. Detesto pessoas frias e egoistas. A juntar a isso tenho uma bagagem de amores infelizes, que correram mal de todas as maneiras possiveis e imaginaveis e de uma ultima relação de 4 anos que destruiu por completo a minha auto-estima. Calculo que para ele não seja fácil lidar com alguém assim. De todos estes defeitos há um que eu não tenho - não sou orgulhosa. E além das saudades que sinto dele, ontém passei o dia a pensar que por vzs sou exigente demais. Quero tudo, porque dou muito. E na verdade os ultimos 7 meses além de ligeiros arrufos de inicio de relação, não tiveram mais que isso. Fazendo bem as contas tive 90% de momentos felizes e 10% de momentos menos bons. Engraçado pensar, que nos 4 anos anteriores com aquele que eu jurava ser o homem certo para mim, foi exactamente o contrário e ainda assim permaneci 4 anos. E ontém constatei aquilo que já imaginava que se estivesse a passar: eu não dizia nada porque ficou combinado que esperava uma resposta dele, e ele não dizia nada porque está perdido, não sabe bem o que pensar. Tomei eu a iniciativa e falei com ele e assim combinamos um encontro para hoje á tarde. Isto parece-me estupido, estamos os dois infelizes sem saber o que fazer, por causa de uma mão cheia de nada. Não sou orgulhosa, não me custa dar o primeiro passo e dizer - vamos lá tirar um tempinho para conversar e resolver a nossa situação, porque na realidade eu sei que nenhum de nós quer ficar sem o outro. Ok, eu sou chata e tenho coisas com as quais ele não sabe bem lidar, não estou habituada a homens mais novos ando a tactear e ás vzs a coisa azeda. Ele não sabe lidar com isso, tem dificuldade em entender as minhas necessidades e a maioria das vzs nem percebe porque é que estou aborrecida. Mas na realidade isto é o que acontece em todas as relações. Dá trabalho, leva tempo a levar jeito para o outro. Mas são das tais coisas que com calma e dedicação se resolvem.
Só há uma coisa da qual eu não abdico - o Amor. Se por acaso logo á tarde ele disser que não me ama, ou que não tem certeza do quanto gosta de mim, então eu prefiro que ele vá. Não há nada para resolver quando não há Amor, e se não o encontra junto de mim, mais vale que seja livre para o encontrar junto de outra pessoa. Mas tudo quanto não seja falta de Amor vale a pena tentar. Sei por experiência própria, que senti durante 4 anos essa falta de amor todos os dias e ainda assim fiquei. Isso eu não quero para nenhum de nós. Ainda assim parece-me que não é falta de Amor. É apenas uma questão de feitios diferentes, e eu não sou daquelas de deitar uma relação pela janela só porque temos feitios diferentes. Dá-se um jeito, com paciência a coisa vai lá.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Posso habituar-me facilmente a isto

Eu bem sabia que essa história da estabilidade emocional estava para durar pouco tempo. Desde domingo já comi a caixa de macarrons e a caixa de chocolates que guardei o mês passado. Ai... eu conheço-me tão bem.
E temo que as férias de Novembro em periodo alargado (15 dias) sejam como estas comer e dormir. Lá terei que me abastecer novamente de chocolates e bombons.

Não consigo ficar longe muito tempo

Não é um blog, é um organizador de pensamentos, um diário.
E estão a ser as piores férias de sempre. Ainda não consegui decidir se devo ficar satisfeita por serem só 3 dias, ou por só ter este tempo para dormir. E sim tenho convites de todos os lados para jantar para passear para sair daqui. Cheguei a ter uma prima á minha porta de proposito para me levar com ela para o Alentejo pelo tempo que fosse necessário, mas eu não consegui ir. Não consigo conversar com as pessoas quando estou assim, acho até que fico a parecer uma autista de tão distante e indiferente. E depois irrita-me que me tentem animar, eu só quero que me deixem em paz. E também não estou triste ou zangada com o meu namorado ou ex namorado ou qq coisa assim que eu não sei bem o que é.
Estou triste por não ter amor. É sempre isto que me deita abaixo a falta de amor. E não sei se é por uma questão de sorte, ou por eu ser alguém realmente dificil de amar, mas nunca encontrei alguém capaz de o fazer. Não digo agora, digo sempre.

domingo, 25 de setembro de 2011

Sem data de regresso

E hoje eu já estava cheia de saudades dele e com toda a disponibilidade para conversar e correr tudo bem.
Ele veio ler o blog e mudou de ideias. Já não quer conversar, não sabe se consegue ser o namorado que eu preciso e quer as férias sozinho para pensar.
Eu concordei. Também não pudia fazer outra coisa. É uma atitude lógica e racional. Acho que não é amor, mas eu disso não percebo muito. Também não acredito muito nesta história de dar tempo para pensar, tempo para a relação. Penso que sei qual vai ser o desfecho deste tempo, embora não o queira antecipar aqui. Eu sei o que quero, o que sinto, o que estou disposta a dar. É justo que ele tb tenha que saber tudo isso. Eu acho que poderia funcionar se for o desejo de ambos. A única coisa da qual tenho a certeza é que é isto que eu quero para a minha vida
Quanto a ele, fico á espera que me diga aquilo que quer.
Até lá o blog está encerrado, estou triste demais para escrever.

About Last Night

Nas ultimas noites (e dias) dormi tanto que a esta hora já estou com uma espertina desgraçada, e deu-me para isto. Para fazer um post daqueles á antiga, com tudo bonitinho bem explicado e até com fotos! Ora então cá vai:
Eu, como belo exemplar de femea que sou, quando estou acometida de neura também me dá para as compras. Agora com mais cautela por causa da crise, mas mesmo assim de vez em quando lá saltam umas coisas novas da loja cá para casa. Então enquanto esperava pelos meninos andei a passear no vasco da gama e fui á springfield para cuscar a nova colecção de maquilhagem e 3 destes lip gloss vieram para casa cmg (cereja, chocolate, baunilha), eu sei que foram logo 3 mas um vai ser para oferecer.
Entretanto chegou o meu amigo V com o meu novo amigo A e recebi as primeiras flores do ano. Estou a falar daquelas flores que se dão só porque sim, não contam as dos aniversário e dias festivos. Fiquei muito surpreendida e agradada. São na quantidade certa, nas cores adequadas e sem aqueles salamaleques todos á volta. É realmente oferecer flores. E depois o A, é um homem inteligente, cativante e atencioso. Também acho que o comportamento amoroso que tem se deve ao facto de ter vivido em Paris. Já não é a primeira vez que o digo (eu que tb já lá vivi) que em comparação a França ou outros paises europeus, os homens sabem tratar muito melhor as suas mulheres do que os portugueses. Sejam as mães, as amigas, as colegas, as irmãs ou as namoradas. Existe um diferencial enorme na atitude que têm com as mulheres em geral. Ide aprender lá fora, para nos saberem tratar bem cá dentro.
Foram logo colocadas numa jarra assim que cheguei a casa.
Depois jantamos os 4 aqui
um verdadeiro american dinner, porque alguém lhe apetecia hamburguer e eu me lembrei que o mês passado lá tinha ido com o fofinho e tinha gostado. Ainda assim para quem estiver a pensar lá ir, experimente a uma 5f que tem musica ao vivo e é mais divertido.
E depois, direitinhos ao casino para ver a peça - É como diz o outro. E vamos lá ser sérios: grande parte dos blogs que sigo e que são escritos por pessoas da zona de Lisboa falam nesta peça. E eu sobre isto até posso opinar um bocadinho visto que até sou assidua nos nossos teatros. Tanto quanto me recordo a maioria foi ver e até recomenda no seu blog. Pois eu cá não. São dois bons actores, quanto a isso não restam dúvidas. Até têm uma boa sinergia, mas os textos são uma treta. Piadas assim assim, que se salvam pela graça natural que eles têm, os assuntos mais polémicos e que podiam dar boas sátiras não foram apresentados e foi um rir que não deu para encher a barriga. Em suma, humor pobrezinho, boas representações, uma peça curta e mal explorada com uns textos paupérrimos. Os bilhetes foram uma gentileza do A, mas se eu tivesse sido mais um daqueles espectadores que dá 22 euros para a um sábado á noite ir ao casino ao teatro tinha saido de lá a chorar o dinheiro. Por isso das duas uma, ou eu sou muito exigente, ou o pessoal dos restantes blogs que recomenda a peça, ou realmente não a foi ver, ou não tem termo de comparação para o que é bom teatro.

De qualquer forma foi uma noite e tanto. Estive com os meus amigos, conheci o A, comprei coisas giras, fui mimada e o tempo passou a correr.
É sempre assim quando se está em boa companhia :-)

sábado, 24 de setembro de 2011

Valem os amigos

A amiga C que vem ao blog e se preocupa em saber se há novidades. A mãe que me viu todo o dia na cama e colocou uma velinha no escritorio.
E uma ida ao casino para assistir á peça - É como diz o outro, com bilhetes oferecidos e um convite para jantar e desabafar as magoas. O pormenor? É que parece uma pequena cena do Sexo e a Cidade, mas só com homens. Em vez de serem as famosas 4 amigas a jantar, nesta mesa serei eu com eles os 3.
Para quem se esteja a questionar o fofinho poderia ir esta noite, mas há jogo em alvaláxia e ele prefere ver o sporting e eu entendo. Ontém a noite houve cinema e o fofinho quis ficar a ver o jogo na tv do benfica porto, e esta aqui foi ao cinema tal como tinha pensado e ele fez aquilo que quis. Devia funcionar bem esta historia da democracia e ficarmos todos felizes porque cada um fez o que quer. Mas eu não estou feliz. De qq forma vou fazer como as espanholas, produzir-me para uma saida á noite com os meus amigos homens (que todos dizem e eu sei que não é por amizade, tomara eu ter uma namorada assim) ir jantar e assistir a um bom espectaculo.

Um novo dia

e continuo sem vontade de conversar. Conversar sobre o que?
Não sei o que lhe vou dizer. Tenho medo de abrir a boca, porque a conversa vai sempre parar a outro lado. De uma conversa simples em que eu diga, gostava que tivesses um bocadinho mais de tempo para estarmos juntos, mas como namorados... não como amigos. Gostava que houvesse um pouco mais de romantismo na nossa relação, que tomasses mais vzs a iniciativa, que fosses mais expontâneo, que me surpreendesses, que demonstrasses mais afecto mais paixão. Quando alguém diz isto do outro lado a resposta é sim, vou tentar ir de acordo com as tuas necessidades, ou não, não consigo ser a pessoa que tu precisas. Tanta conversa para que?
Chega a uma altura que nós não queremos conversa, queremos mudança, actos.
Ou me deixa ficar sossegadinha no meu canto durante as minhas férias e com o passar dos dias eu vou sentindo saudades dele e me volto a aproximar, ou então está disposto a fazer um duplo mortal encarpado e dá mesmo tudo dele para que as coisas funcionem. Neste momento continuo sem vontade de passar dois dias com ele a fingir que está tudo bem quando não está. E isto tudo porque queria falar sobre alguns pormenores e a conversa de ontém passou a ser uma discussão e um chorrilho de acusações. Daquelas coisas em que só nos resta encolher os ombros e dizer - desisto, não consigo conversar com ele. E eu estou cansada demais para passar as minhas férias assim.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

É complicado

quando não se consegue conversar com o namorado. Quando tentamos iniciar um tema que queremos ver resolvido e acabamos a discutir pela maneira como eu introduzi o tema ou pela forma como disse que precisava conversar e já ninguém conversa sobre o que era fundamental. As páginas tantas já não me apetece falar com ele pq vejo que não resolvo nada e só ficamos os dois stressados. Hoje pela primeira vez fiquei com vontade de chorar enquanto ele me respondia. Sinto que não me entende, e escrevo isto aqui desta vez pq está sem net e sei que tão próximo não virá cá vêr.
Preciso de me destânciar emocionalmente desta situação para não me desgastar mais. Pelo menos por uns dias. E agora tlf a perguntar porque desmarquei os dois dias que tinha combinado nas férias que temos juntos e a verdade é que não me sinto disponivel para estar com ele. Não sei se vou conseguir estar bem disposta, não sei se vou estar ressentida. Sei que isto entretanto passa, mas e se não passar até 2f? Vão ser dois dias infernais cmg de trombas.
Ele tem dificuldade em perceber que uma mulher precisa de intimidade constante, de romance de carinho de demonstrações de afecto. O sexo pode ser bom, mas começa mt antes de chegar a cama. Ele esquece-se que eu tenho dificuldade em perceber como é que um jogo do benfica porto pode ser mais importante que eu, sendo que já sou tolerante com todos os jogos do sporting, mais todas as vzs que vai jogar futebol. Lá por eu ser tolerante, isto já é pedir um bocadinho demais.
Ele esquece que de vez em quando devia ser ele a preparar um programinha surpresa em vez de se limitar a aparecer para aquilo que eu preparei dps de ter todo o cuidado de vêr o calendário dos jogos da 1º liga, para que se possa fazer tudo. Ele esquece que um dia era agradavel ele trazer um florzinha, nem que fosse daquelas apanhadas nos jardins ou um poema ou um miminho qualquer. Eu já me cansei de organizar a nossa vida e ainda por cima as coisas correrem mal por isso, a questão é que ele tb n quer esse lugar de organizador. E agora ainda é capaz de me dizer, não entendo porque é que não vamos, acho que faz mal a nossa relação não irmos e por favor se decidires que vamos é mesmo porque queres, não faças nenhum frete. E eu tive vontade de responder, é bom para a relação, mas será que é bom para mim? Eu preciso de um fds de romance de amor de tranquilidade, será que o consigo ter com ele? Não é preferivel ficar sossegadinha no meu canto e pelo menos não arranjar mais problemas para a nossa relação?
Afinal ele está preocupado cmg, com ele, ou com a nossa relação?
É que na minha optica quem se preocupa cmg e com a nossa relação diz simplesmente, susana 2f ás 14h estou a tua porta para te ir buscar, quer tu queiras ou não e vais ter os melhores dois dias da tua vida, porque eu vou ser o namorado que tu precisas.
Em vez disso tenho um - Faz-me só um favor... não vás obrigada, vai só mesmo se quiseres estar cmg. Ora ditas as coisas assim, a resposta era logo não não vou. Quero estar sozinha, quero sentir-me bem amada, apreciada e que deêm valor aquilo que eu faço, por isso não vou. Estou emocionalmente desconectada de ti e a menos que te consigas transcender neste momento não tenho a menor vontade de intimidade ctg. Mas n posso dizer estas coisas assim de rajada se não sou desiquilibrada impulssiva e o diabo a 7. Por isso só me resta dormir e acordar sem ter a certeza de que me vou sentir de outra maneira...

Eu gostava de lhe dizer: - Faz-me acreditar que eu devo ir, que faz sentido estar ao teu lado. Todas as relações precisam destes reforços e este é o momento.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

O primeiro dia de Outono

Foi também o dia em que trouxe o meu fofinho cá a casa para conhecer os meus pais. E correu bem. Sem pensar muito no assunto fiz o convite e ele aceitou. Hoje de manhã é que percebi a dimensão da situação e a responsabilidade que acarreta. Já não é só um fofinho, é um namorado. Já não é alguém que guardo só para mim, é alguém que convive com os meus amigos e com a minha familia. Hoje passei o dia ansiosa, cheia de dúvidas e a pensar se era mesmo isto que eu queria.
Quando chegou aqui a casa e começou a brincar com os cães e o senti tão à vontade tendo em conta que era a primeira vez que vinha a minha casa e a primeira vez que na sua vida se via numa situação de conhecer os pais da namorada, tive a certeza que realmente tomei a decisão certa.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Sobre (algumas) mulheres...

Ontém enquanto fazia a minha pausa da tarde uma colega que estava a olhar para mim disse:
- Gosto do teu novo corte de cabelo, aliás não é de estranhar até porque sabes que gosto de cabelos curtos tal como o meu, mas hoje algumas pessoas já me disseram que te faz parecer mais velha...
Reacção?

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Deve ter sido do vinho

Então ontém depois de uma caipirinha de manga e 1 garrafa de vinho branco fiquei muito espirituosa. É que nunca me embebedo, mas quando bebo um bocadinho a mais da conta durante 1h dá-me para ter muita gracinha e desta vez acabei por perguntar se ele sabia como é que os dinossauros falavam de amor... pergunta parva não é? Pois mordem (como eu mordi) e é mais ou menos assim que se declaram...

domingo, 18 de setembro de 2011

7 meses passaram

e continuamos juntos. E porque tenho a sorte do meu fofinho não ser só
a escolha de um homem bondoso, sensivel e integro, mas também inteligente, bem disposto e curioso vamos ao teatro esta tarde. Porque tal como disse no post anterior por vezes só precisamos ter a pessoa certa ao nosso lado para estimular e fazer nascer novos interesses na nossa vida. Neste caso é fácil, porque o fofinho gosta de teatro mas não tem tido companhia para saidas culturais deste género. Lembrei-me que há uns meses tinha ido assistir a uma comédia muito divertida que entretanto voltou ao Vilaret - Vamos contar mentiras. Este é o melhor género para quem se quer iniciar nos meandros teatrais. E a seguir á matiné há passeio de cacilheiro ao pôr do sol e um jantar aqui:
Porque aqui? Porque a comida é optima, continuamos com a nossa brincadeira de escolher restaurantes que não sejam de comida tradicional portuguesa e porque me apetece terminar o dia a beber um bom vinho num restaurante com vista para o Tejo.

Sobre o Ganhar Mundo

Aqui está uma expressão de que muito gosto e que uso várias vezes. Penso que sentimos quando estamos junto de alguém que já "ganhou muito mundo" e daqueles que nunca sairam do seu quarteirão. E o famoso ganhar mundo não se faz apenas em termos fisicos, em calcorrear tudo quanto é canto. Ganha mundo quem não tem medo de arriscar, quem tem sempre vontade de conhecer vêr ou fazer coisas novas. Uns levam mais tempo a ganhar mundo do que outros, mas mesmo quando sentimos que alguém está mais atrasado pudemos sempre ajudar, desde que tenham lá o potêncial. Parece que estou aqui a escrever como se já tivesse ganho muito mundo, mas tudo é relativo, em comparação a alguns tenho mais mundo do que me parece que eles algum dia vão ter e em relação a outros parece que nem nunca sai da casca. Normalmente sempre me desenvolvi na companhia dos namorados que tive. Aprendi sobre motas e carros, sobre vinhos e literatura, sobre saber visitar atentamente um museu ou descobrir Lisboa. Eu também lhes dei outras coisas, mas houve sempre uma simbiose porque acreditavamos que valia a pena, que o outro tinha potêncial para isso. Este ano aprendi muito com os novos amigos que fiz. A titulo de exemplo na próxima semana vou começar a ler um livro que nem sei bem se a designação que lhe dão é a de policial, do autor da trilogia millenium. Nunca pensei ler um autor sueco que escreve romances policiais, mas graças aos meus amigos ganhei mais esse pedacinho de mundo para mim. Isto tudo para chegar onde? Num post que o arrumadinho escreveu sobre o facto de amarmos quem admiramos (é certo) mas de tendêncialmente admirar quem tem mais mundo. Antes de terminar este post vou deixar ficar o texto a que me refiro. Embora eu entenda a ideia há uma coisa que já aprendi. Quando nos enamoramos de alguém é muito fácil chegar lá pelas afinidades e pelo estilo de vida em comum. Mas vamos lá ver... as afinidades ganham-se e perdem-se ao final do dia e um estilo de vida semelhante é só manter o que já existe e não criar nada de novo. Com uma existência muito "vivida" que a tenho tido, com uma série de experiências e de amores aprendi a valorizar outras coisas. Se antigamente eu dizia que as caracteristicas que mais gostava num homem seriam a inteligencia e o sentido de humor, hoje em dia já não é bem assim. É que já perdi a conta aos homens inteligentes e com um sentido de humor fantástico e que me fizeram comer o pão que o diabo amassou, com o seu egoismo, egocentrismo e falta de capacidade de dar. Percebi que me agradavam mais os homens bondosos e de franca integridade e até agora não tenho estado errada. E também esses, mesmo quando não são tão deslumbrantes e com um mundo tão brilhante quanto os outros, podem ganhar mundo com a nossa ajuda. Desde que tenham lá esse potencial e nós tenhamos essa dedicação para com eles.
Sobre o post do arrumadinho? Posso dizer que hoje é mais fácil amar alguém integro, sensivel e bondoso, do que alguém inteligente, super culto e com um mundo para lá de interessante.

Eu admiro pessoas com mundo, gente com experiências para contar, coisas interessantes para partilhar, com dimensão e conhecimento. Chega-se lá não atirando anos de vida para o lixo, como muita gente faz. E aqui falo de homens e mulheres. Pessoas que chegam a Dezembro, com as 12 passas na mão, olham para trás e percebem que mais um ano passou e não fizeram nada de verdadeiramente relevante que os tornasse melhores pessoas. Não leram quase nada, não viajaram quase nada, viram um ou outro filme que passou na TVI, nem sequer se preocuparam muito em ser felizes, não estiveram com amigos, não se inscreveram naquele curso que parecia interessante, não se esforçaram por entender o porquê de estarmos em crise, estiveram-se nas tintas para a Líbia, não leram um jornal. Limitaram-se a deixar passar o tempo ao sabor de uma rotina confortável que os levou até ali, às 12 passas na mão, em cima de uma cadeira, cuecas azuis vestidas e um sentimento de "para o ano é que é — vou ler dois livros por mês, vou fazer aquela viagem a Itália, vou para o ginásio perder esta barriga, vou sair mais com os amigos, vou mudar a disposição da sala, vou encontrar a pessoa certa para mim e vou voltar a estudar". Geralmente aí a 3 de Janeiro, 28 rabanadas no bucho depois, começam a dizer que o ginásio pode ficar para o mês seguinte, para começarem logo dia 1, não começam o livro de 688 páginas que receberam no Natal porque nessa noite há um "especial Meu Amor", com três episódios de seguida, não vão ao cinema porque está frio, não vão ao teatro porque é chato, percebem que para voltar a estudar o melhor é inscreverem-se só em Setembro, e deixam os planos de férias para depois, até porque se calhar o melhor é mesmo ir pela sétima vez à República Dominicana, onde a água é quentinha e pode comer-se o dia inteiro.

Muitas pessoas gostam de pensar que não fazem nenhuma destas coisas por falta de dinheiro. Há casos em que acredito que sim, que o dinheiro é o travão, principalmente a partir de certa idade, quando passamos a ter maiores responsabilidades, com contas para pagar e filhos para sustentar. Mas o problema não é termos chegado aos 30 ou 35 anos e não termos dinheiro para ir conhecer mundo. O problema é termos chegado a essa idade e olharmos para trás e vermos um vazio imenso que podia ter sido preenchido de mil e uma maneiras mais ricas. Toda a gente se queixa de falta de dinheiro, mas chega-se ao Natal, ao Carnaval, à Páscoa e ao Verão e esgotam os bilhetes para as Caraíbas, e o Algarve está lotado. Afinal, parece que sempre há algum dinheiro. Mas em vez de procurarem fazer coisas novas, ganhar mundo, muita gente procura criar novas rotinas — agora de férias — tentando uma vez mais não sair da sua zona de conforto, repetindo as fórmulas de sempre, que ao menos são seguras.


A dimensão humana que se ganha com uma vida preenchida ajuda a tornar-nos admiráveis. Não estou a dizer que as pessoas mais viajadas são todas boas pessoas. Não é nada disso. O que sei é que quando se ganha mundo, quando se conhecem outras pessoas, outras realidades, quando se percebe o que é, de facto, a miséria, a tristeza, quando vemos gente ser feliz com tão menos do que nós temos, isso tudo quase que nos obriga a reflectir sobre a nossa própria existência, sobre as nossas opções, e dessa reflexão, acredito, nasce uma força que nos torna melhores.
Nunca é tarde para se começar esse processo. Basta querer-se. E quando queremos muito, conseguimos. O mais difícil é mesmo vencer a inércia (ou a preguiça) que nos trava o primeiro passo. O que nos torna mais ricos não é o destino final, porque esse não existe, mas sim o caminho que fazemos até lá.

sábado, 17 de setembro de 2011

É desta que volto a ficar solteira

Deu-me a maluca assim que entrei no cabeleireiro e comecei a vêr as revistas de cortes de cabelo curtos e lá me decidi assim de repente a ficar com o cabelo curto. Só o dinheiro que vou poupar em shampo e amaciador vale a pena o risco. Claro que amanhã quando ele olhar para mim, pode decidir que não consegue viver com a minha falta de cabelo temporária...

São 8:30

de um sábado de manhã e eu estou acordada. Não, não é por ser uma criatura estranha ou vinda de Liliput. É porque vou a caminho do cabeleireiro para cortar a trunfa. Sim trunfa, que eu já não tenho cabelo de jeito. Está espigado, com 3 tipos de nuances diferentes, baço e desidratado. Parece que tenho um ninho de ratos. E eu bem sei que o sr fofinho gostava de ter uma namorada com os cabelos compridos, porque acha mais feminino e delicado, mas as namoradas nem sempre fazem as vontades aos seus fofinhos! Também não sei que raio de fetiche os homens desenvolveram por mulheres com os cabelos compridos... Será que são melhores em alguma coisa do que as que têm os cabelos curtos?!!??
O importante é ter um cabelo bonito e bem tratado independentemente do tamanho que ele tenha, além de que quero voltar á minha cor original e perder as madeixas já sem vida, por isso hoje vai ser um corte de uns 4 ou 5 dedos. E depois sim, lá vou fazer a vontade á minha pessoa preferida e deixar crescer o cabelo, mas ai já sem pontas espigadas ou cores esquisitas misturadas.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Sou uma invejosa

A namorada do meu amigo V, fez uma surpresa e vão jantar e passar a noite de amanhã neste sitio maravilhoso
O Hotel Altis de Belem.
Já cheguei á conclusão que ando a educar mal a minha criatura favorita e sou sempre eu a fazer as surpresas e os miminhos, mas agora estou invejosa e também quero umas coisinhas assim. Ontém também lhe fez um jantarinho de sushi á luz das velas. Eu tb sou boa namorada também quero surpresas destas.
Este fds fazemos 7 meses de namoro e eu já tenho o dia mais ou menos planeado , mas para o próximo mês vai ser ele a tratar disso, ou até já este mês...

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Nós sabemos que estamos a chegar ao limite

quando no post do dia anterior escrevemos talvez com s e só percebemos o erro no dia seguinte...

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Foi tão fácil

conversar com o meu anjinho da guarda. Talvez por estar em Santiago de Compostela. Talvez por acreditar nele. Talvez porque já o devesse ter feito.
Entrei numa loja para comprar caramelos de chocolate e vi um colar com uma bolinha chama anjos e soube exactamente o que fazer. Comprei o colar, coloquei no pescoço e entrei na catedral. Já conhecia aquele sitio e não o ia visitar de novo, pelo que me sentei a ouvir a missa, enquanto as minhas acompanhantes faziam a visita.
A conversa foi simples, disse-lhe o que pretendia e entramos em acordo. Fiquei a saber o que seria necessário da minha parte para que ele me ajudasse. Fizemos um compromisso e coloquei a minha intenção no colar do chama anjos. Sempre que o agitar e ouvir o seu som vou recordar o que o meu anjo me pediu para entrar em acordo cmg. Vou recordar também que aceitei a proposta que me fez. Eu pedi uma realização afectiva e pensei na pessoa com quem eu quero ficar. O meu anjo por sua vez disse que tenho que abdicar de outra pessoa para que me possa ajudar. Temos compromisso, vai custar muito mas tenho a certeza que o meu anjinho só sugeriu o melhor para mim. Assim seja!

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Estou a precisar de tudo

menos ir trabalhar! Ando numa daquelas fases em que me arrasto o dia todo. As manhãs são más, os dias são péssimos e preciso muito de férias e ausência de problemas com o carro.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Amanhã lá terá que ser...

Vou voltar à vida de grilo, que estou a ficar novamente uma baby hippo!
Agora uma coisa é certa, a despedida das minhas férias de alarve foi feita em grande. Ora espreitem o meu jantar de sábado feito num cruzeiro nas rias baixas de Vigo...

 

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

A caminho de...

Santiago de Compostela! Partimos esta madrugada numa girls trip e que bem me vai saber lá voltar 8 anos depois. Sim, já fui muito feliz lá! Hummm muito é demais, fui apenas feliz tendo em conta que nas duas noites que lá passei estive com uma amigdalite e 39º graus de febre, mas adiante. Já deixei o bolinhas estacionado á porta de casa e vou passear sem ele, para que entenda quem é que manda. Ainda assim penso rezar pela sua alminha na catedral de Santiago e pedir que aquele espirito ruim que se enfiou no circuito electrico do meu bolinhas saia daquele corpo que não lhe pertence e nos deixe voltar á paz e a tranquilidade da poupança mensal. Até vou acender uma velinha, que este carro já pede medidas drásticas!
Até para a semana :-)

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

já que ainda não paga imposto

vou queixar-me mais um bocadinho! Então além das despesas do carro, este mês ainda vou ter que investir em fazer um armazem de embalagens de pilula!
Mas cabe na cabeça de alguém gastar mensalmente 18 euros numa embalagem de pilula? Isto é um atentado ao amor, à mulher, à familia e as crianças, sim porque com esta medida de certeza que vão nascer muito mais e sem quaisquer condições. Qualquer dia isto está pior que a Albânia!

Para animar a crise

Tenho convites de duas marcas da qual sou cliente, a Furla e a Kiels para o evento desta noite. As lojas vão estar abertas noite dentro com muita animação uns coktails á mistura e se for possivel boas receitas nas vendas. Pois este ano não vão contar com o meu dinheirinho, por culpa da crise? Não... por culpa do bolinhas que me obriga a substituir todas as suas peças, xiça que mais valia comprar um carro novo! Desta vez é a injecção do carro que deixou de funcionar. Estimativa? 400 euros. Já pensei seriamente em trocar este sugador de ordenado, mas sou daquelas pessoas que prefere ter um carro mais velhinho e usar o dinheiro para viajar. Depois não ia ter verba disponivel para comprar novamente um carro novo a pronto, logo teria que trocar este antes de fazer os 8 anos e ficar a pagar um valor mensal até o carro ser meu. Ficava com um carro novo, mas só pudia ir até Badajoz com ele porque não havia mais dinheiro para passear. Assim sendo há 3 meses que estou a substituir peças do bolinhas, o que também não me deixa juntar dinheiro para as viagens... Parece uma daquelas relações que não tem solução. Eu e o bolinhas já não nos amamos e ele sabe que se pudesse o trocava por um nissan juke! Agora faz birras como a dona, só para me enfernizar a vida e fazer gastar dinheiro!

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Tenho dois novos habitantes em minha casa

2 gatas a pernoitar na casa de banho. Então a minha inquilina do r/c que Deus a proteja de mim, tem 2 gatos a viverem fechados na casa de banho dela e há fome, num estado verdadeiramente miseravel. Não sei se foram os gatos que em desespero de causa fugiram pela janela ou se foi o marido da sr besta que ontém chegado a casa já bebido atirou os bichos janela fora para o meu quintal. O que é certo é que como no meu reino (no prédio e no pátio onde sou senhoria) todos podem ter bichos desde que bem tratados, os cães e gatos dos inquilinos do pátio ficaram assafronhados com os dois montes de ossos que lá apareceram. Vai daí e porque sra besta e o seu marido alcoolizado não estão, os bichos foram recolhidos por nós, e só estão na casa de banho que até é um espaço bastante grande, porque tenho dois cães em casa que podiam ficar entusiasmados com as visitas e os bichos estão muito fracos para essas emoções. E eu não sei como vai ser amanhã quando tivermos que falar com a inquilina... entre mim e a minha mãe venha o diabo e escolha! É que se eu tenho vontade de a desfigurar á estalada, a minha mãe é bem capaz de o fazer.
Não sou pessoa de mariquices com os bichos. Acho que os animais devem ser bem tratados (todos sem excepção) e estes bem tratados como animais de estimação que são. Idas regulares ao veterinário, boa papinha, uma boa caminha, uns brinquedos, um bocadinho de brincadeira e de miminhos. É assim que trato os meus animais de estimação. Não gosto de bichos que querem comer do nosso prato, quem se vão deitar no sofá ou muito menos na cama, cada um tem o seu espaço. Agora isto que eu vi é uma perfeita insanidade, para isso mais vale deixar as gatas livres na rua á sua sorte, do que presas numa divisão para morrer. E se já noutros posts eu falei deste meu lado mais chato e impertinente, das birras e dos caprichos e afins, ele não se aplica só aos afectos.
Neste caso quem manda sou eu, ponto final paragrafo!
- As gatas não voltam para casa daquela coisa, a partir do momento em que vão parar ao meu quintal completamente subnutridas, quem manda nos seus destinos sou eu. Ainda não sei bem o que lhes fazer. Para já vão ficar aqui até se restabelecerem e depois vou arranjar uma forma de as dar.
- Amanhã tenciono dizer isso mesmo à minha inquilina, acrescentando que está terminantemente proibida de ter mais um bicho que seja, nem bichos da seda lhe permito! E só espero que não se lembre de me contrariar... É que se me dá a birra (ah e se eu sou boa nisso), sou capaz de lhe mandar a conta do veterinário para casa, ou se estiver muito chegadinha aos nervos, entrar em desiquilibrio nos meus saltos de 7 cnt e encostar-me ligeiramente á sr besta, por forma que ela rebole pelas escadas até ao patamar! Upss... foi uma ligeira tontura que me deu. Sabe como é, pessoas que sofrem dos nervos são assim!

A fingir que este post não existe

Shiuuuu... eu não lhe vou dizer (até porque sei que vem ler o blog dia sim dia não, mais coisa menos coisa), mas ontém á noite tive um pensamento que até a mim me assustou. Depois de jantarmos (eu e o fofinho) ficamos no sofá a beber o café e a vêr o quem quer ser milionário (acho que ele praticamente só vê esses programas na tv quando estamos juntos) e até estavamos entusiasmados com as perguntas do concurso sendo que ficamos empatados no numero de respostas certas e entretanto dei por mim a pensar que aquilo até era giro, voltar para casa e ele estar lá. E pensei novamente, ele é uma pessoa tão fácil de agradar, tão descontraido que seria mt fácil vivermos juntos. Claro que não lhe vou dizer (ele vai ler aqui), não vá o homem dar-lhe o faniquito e achar que já estou a pensar nisso! Não estou. Simplesmente quando essa ideia surgiu achei que poderia ser fácil e até resultar bem... tirando a parte em que durante a semana fazia jantar de dieta para os dois, mas até nisso concordamos...

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Sim eu sei...

Sou uma joia de pessoa, mas... também sou sensivel demais e tenho tendência para as birras e os amuos. Não faço de propósito, aliás nem os consigo evitar. Também me dá forte e passa depressa mas nem sempre é fácil viver com isso. Como namorada e sem falsas modéstias sei que sou do melhorzinho que por ai anda, o pior são msm as birrinhas. E depois eu e o sr fofinho somos o oposto, se eu sou mais chegadinha aos nervos ele é a calma e a descontração em pessoa, e ás vzs eu penso que ele não se importa, mas á sua maneira está a tentar arranjar uma solução. Tal como se calhar quando fico atacadinha de birra ele acha que me estou a passar e talvez já não goste dele, mas aquela é a minha maneira de exteriorizar o que sinto, o que não quer dizer que dali a umas horas já não esteja tudo bem.
E sim, sou mimada. E sim, adoro estas surpresas daquelas em que quando já espero uma semana chata e cheia de saudades dele, ser surpreendida por um amanhã ficamos juntos e a noite é só para nós. Adoro quando ele faz estas coisas, fico calminha calminha... pelo menos ele ganha paz durante uns 15 dias :-)
Acho chatos aqueles relacionamentos em que nunca há uma discussão, em que nunca há daquelas pazes feitas debaixo dos lençois, em que se vive em constante lua de mel e com um ar meio aparvalhado.
Por não ser nada assim, é que amanhã vai ser tão bom, ah se vai...
and he will be...

Como eu gostava

de ser uma criatura estavel e equilibrada. Só precisava que vendessem uns saquinhos disso na farmacia, mas como não é o caso vou ali á sap colocar-me de bunda para o ar e apanhar uma pica para as enxaquecas e esperar que isto passe. Será que o Nolotil também cura os outros males de que sofro? Era tão bom....

domingo, 4 de setembro de 2011

Sobre a festa

Estava a ficar dificil não escrever sobre isso no blog. Falo da festa do avante. Não, nunca fui mas tenho muitas opiniões sobre ela oh se tenho! Sempre que ligo a tv e vejo aquelas entrevistas cada vez tenho mais a certeza de que apenas sob ameaça lá colocarei os pés e sou cada vez mais opinativa sobre o que por lá se passa.
Tanto quanto sei, aquela deveria ser a festa da rentrèe politica do partido comunista português. Não gosto da cdu, pois que não gosto, fico com crises de urticária quando os oiço tentar dissertar sobre assuntos para o quais não têm a minima preparação. Nas outras coisas em que realmente têm razão também não passam de um velho disco riscado... ele é a ditadura do proletariado, ele é o ataque ao capitalismo, ele são os ricos que roubam aos pobres mas tudo num comunismo que de Marx tem muito pouco. Que nenhum dos Santinhos caia do altar, mas juro que já pensei quantas daquelas alminhas ( e estou a falar dos filiados) já leram o manifesto comunista do fundador da ideologia... foi só um pensamento maroto.
Ainda que o tivessem lido e se a memória não me falha que isto da pdi ataca a todos/as o livro foi escrito por volta de 1850 e entretanto com pelo menos 150 anos em cima as coisas já não são as mesmas. Encontro a cdu a modos que entalada entre a China comunista (que é o pavor que se vê) e a Russia comunista (que praticamente não tem luta de classes, há os pobres que lá andam no meio das alfaias no mundo rural e há a mafia russa que come caviar ao pequeno almoço e são um dos maiores compradores de diamantes, casacos de pele e carros de luxo). Parece que esta gente da cdu está um pouco desactualizada e longe dos problemas reais e concretos do Pais. Já se notou que claramente não sou de esquerda, mas mal por mal sempre prefiro o BE na oposição. É que realmente cumprem a sua função e fazem a oposição que é esperada, e lá que são bons a escrutinhar contas isso são.
Então afinal o que é a renntrèe da cdu? Não é rentrèe nenhuma, porque nunca se renovam e ano após ano o assunto é o mesmo. Aliás nem se devia utilizar a palavra rentrèe porque o povo que lá está (isto gente dos 45 anos para cima), não gosta de palavras francesas nem nada de espirito mais erudito. Devem ser recalcamentos que ficaram do 25 de Abril. Vamos manter isto bruto e tosco tal como o povo gosta, não vá algum fascista espreitar a nossa festa por trás das moitas.
Quanto ás outras criaturas que por lá se tentam manter em pé, ainda são pior que estes. E o que é que consegue ser pior que um comunista de espirito boçal? Gente que não tem partido politico, gente que não vai votar, gente que não cumpre a sua cidadania, que se demite de ser português e que ano após ano, vai ali para fumar uns charros, chegar a meio da tarde tão alcoolizado que já só consegue estender-se na relva e afogar-se no próprio vómito, que já sabem de cor e salteado qual a melhoe barraca das bifanas e onde vendem o vinho mais carrascão e ainda arranjam uma indomentária, assim a puxar para o palhacito alternativo para mostrar que não foram para ali alienar-se da vidinha triste que têm mas que são contra o regime, a ditadura, a republica ou o que quer que seja, porque eles não sabem bem o que temos e de politica não percebem nada! Assim a jeito sintético a festa do avante é uma mistura de gente burra, apolitica, sem quaquer patrotismo, embrutecida e alcoolizada demais para conseguir ter um único raciocinio lógico ou alguma ideia útil ao País.
Tenho dito!

sábado, 3 de setembro de 2011

Lush uma desilusão

Na quinta feira antes de ir ao cinema, passei com a minha amiga C na Lush do Oeiras parque. Para já esta loja só existe lá e nas Amoreiras. Estava com vontade de experimentar umas coisinhas daquela marca e a loja estava cheia de gente a fazer compras (não, não vou comentar a história da crise), no meu caso o esfoliante corporal tinha acabado e queria comprar um pequeno e barato, visto que faço conta de comprar um boião grande no spa do h2o hotel quando for de férias em novembro. Assim optei por este e francamente é uma porcaria... Tem um cheiro esquisito, uma textura horrorosa e esfarela na pele parecendo que fico coberta de papas de aveia. Só na primeira utilização gastei mais de metade do sabão esfoliante (quando fazia contas de chegar para 2 meses)
Comprei também para mim algo que já andava a namorar há algum tempo, um esfoliante para os lábios. Já tinha visto um da Benefit que custa 20 euros e achei um bocadinho caro para esfoliante de lábios. Na Lush encontrei este com sabor a chocolate e com o preço razoavel de 7.45 euros. Sabe lindamente, não é caro e cumpre a sua função. Com este não fiquei enganada visto que experimentei o tester primeiro na loja.
Para o meu fofinho, comprei esta gelatina para o duche que me pareceu muito prática para um homem. Serve como shampo e gel de banho e deve ser colocada (se possivel) umas horas antes no frigorifico. Tem uns principios activos optimos para quem pratica muito desporto e fica com os musculos cansados como é o caso do fofinho, ou até msm quando sofremos de jet leg.
O Fofinho experimentou logo nessa manhã e sei que devidamente porque tive cuidado de o colocar no frigorifico e ainda assim diz que não é nada de especial, que custa a espalhar e tem uma textura estranha também.
Por fim para a minha amiga C comprei o sabonete tradicional da marca, chamado Miranda.
Ainda não sei qual é a opinião dela acerca do sabonete, mas se for favoravel esta marca fica aprovada em apenas 50% dos seus produtos e é uma pena porque apesar de não ser assim tão barata, tem a vantagem de usar boas matérias primas e não fazer testes em animais.

Um fds só para mim (mais as obrigações)

Temos novo blog a ser seguido pelo virar da esquina! Gosto muito da forma de escrever do Arrumadinho. É que além de escrever bem, tal como um bom jornalista deve escrever, gosto dos assuntos que aborda e a forma como o faz. Gosto de como consegue fazer tudo aquilo que deixa um tipico homem feliz e ainda assim ter tempo para a mulher para o filho e para uma série de projectos interessantes.
Neste caso a minha ideia é de vez em quando ir buscar um texto dele e colocar aqui, citando devidamente a fonte e fazer uma ponte para aquilo que é a minha opinião e a minha vida.
Então hoje o primeiro post retirado do blog do arrumadinho é este:

Sozinhos e solitários
Há gente que não sofre por falta de amor, sofre por falta de alguém. Pessoas que podem estar solitárias, não podem é estar sozinhas. E então atiram-se de cabeça para todas as oportunidades que lhes surgem pela frente, não cuidando de perceber se aquela pessoa tem o que de facto é importante para a fazer feliz. Muitas vezes deixam de estar sozinhas, arranjam alguém, mas não deixam de estar solitárias. E este estado dura, muitas vezes, anos e anos.

Mais importante do que sermos obcecados em encontrar alguém, em apagar o rótulo de "encalhado", é descobrirmos as coisas que nos fazem felizes e que podemos fazer sem outra pessoa. Esse processo de aprendizagem não é fácil, e há mesmo que nunca consiga chegar a este estádio, porque há quem não goste, mesmo, de fazer nada sozinho, e ache deprimente fazer coisas sozinho, e recusa-se a fazer coisas sozinho. Como não se encontram pessoas a toda a hora, o que acontece é que quem vive nesse sentimento acaba por não fazer nada. E ao não fazer nada gera mais ansiedade, mais necessidade em encontrar alguém, uma companhia, e como a espera por vezes é longa, lá está, atira-se à primeira coisa que aparece. E é este o ciclo.

Ninguém melhor do que nós sabe aquilo que nos faz bem. Mas nós não somos seres imutáveis, nem nunca nos conseguimos conhecer em pleno, podemos sempre aprender coisas novas, descobrir coisas de que, afinal, gostamos. Para isso temos de ter iniciativa e vontade, força, perseverança, temos de perceber que se queremos mesmo ser felizes não temos de encontrar alguém, temos de nos encontrar a nós próprios.

Os momentos em que estamos sozinhos são as melhores oportunidades para fazermos aquilo que bem nos apetece. Não estamos condicionados por vontades alheias, não temos de fazer cedências - "hoje fomos aqui porque tu quiseste, hoje vamos ali" -, só que essa liberdade é quase sempre condicionada pela inércia, pela ideia de que não conseguiremos desfrutar de um prazer se estivermos sozinhos. Há quem diga que jamais seria capaz de fazer uma viagem sozinho. Só que, por achar isso, nunca a fez. Se calhar se fizesse perceberia que viajar sozinho pode ser maravilhoso. E, para mim, não há coisa mais deprimente do que viajar, viver ou partilhar coisas com uma pessoa que não se ama e de quem nem sequer gostamos particularmente.

Se conseguirmos ser felizes sozinhos, conseguimos ganhar um brilho que chamará mais depressa as pessoas interessantes. Se conseguirmos ser felizes sozinhos conseguiremos apurar os nossos critérios de escolha na altura de decidir se devemos ou não arriscar uma relação com outra pessoa. Se conseguirmos ser felizes sozinhos perdemos a pressa. E quando não temos pressa, chegamos sempre lá

Concordo com tudo, tudinho. Conheço várias pessoas assim. Não posso dizer que fui uma delas, porque desde pequena que gosto de fazer certas coisas sozinha, inclusivê brincar. Dos exemplos que o Arrumadinho deu, só ainda não fiz uma viagem sozinha, tenho tido sempre a sorte de ter boa companhia para viajar, mas ainda assim tenciono faze-la.
Quanto ao cotidiano, existem imensas coisas que não me importo de fazer acompanhada, mas que ás vezes me apetece mesmo fazer sozinha.
Ir ao cinema, por impulsso, para vêr aqueles filmes que só me interessam a mim e não tenho que negociar com o outro o filme a vêr.
Ir á praia sozinha. Gosto de ficar lá sossegadinha a ler e a escrever sobre coisas que se passam na minha cabeça naquele momento. Custumo ter epifánias brilhantes quando estou na praia sozinha.
Ir ás compras. Não gosto de andar a arrastar as outras pessoas pelas lojas, a deixar que fiquem á espera que experimente tudo o que me apetece ou dar oportunidade que comentem quanto vou gastar nisto ou naquilo. O dinheiro é meu o gosto para me vestir também, e não preciso de audiência para isso. Já não me importo de ir com os outros e ajudar a escolher, tenho toda a paciência do mundo para isso, mas comprinhas á séria cmg, daquelas que duas mãos não chegam para carregar os sacos, isso é definitivamente sozinha.
Gosto em dias de neura ir passear sozinha com os cães. Coloco os phones e vamos os 3 fazer os 8km da praxe. Chego até a ficar irritada quando algumas pessoas insistem que também querem ir. Não me apetece conversar nem pensar e companhia estraga tudo.
Também gosto de tomar um café e ler o jornal numa esplanada virada para o mar, num fds de manhã. Não sinto falta de companhia, o café e o jornal chegam muito bem.
Gosto de visitar museus e monumentos sozinha. Até ao ano passado pensei que não, mas depois de ter feito o passeio sozinha até é feira da ladra, Visitar ao Panteão Nacional e o Mosteiro de São Vicente de fora, verifiquei que não faltava lá ninguém, a melhor companhia foi mesmo a minha.
E hoje vou ter um dia daqueles em que vou fazer sozinha coisas que adoro fazer sozinha. Já que tenho que ir á Baixa tratar da gata Simone e deixar a casa impecavelmente arrumada, vou aproveitar para ir sozinha á confeitaria nacional tomar um café e comer uma daquelas fatias deliciosas do bolo de chocolate que lá fazem. Adoro sitios com aquela pátine e faço mesmo questão de subir ao primeiro andar e ficar numa mesinha com vista para a rua a saborear o meu momento. Despois vou vêr todas as lojas de que gosto na baixa. Vou comprar um miminho de boas vindas para o meu amigo encontrar em casa quando voltar de férias.
Venho para casa dormir a sesta na minha caminha fofa, e a noite vou ao cinema com a madrinha que é um daqueles verdadeiros casos de quem se não tiver copanhia para sair não faz rigorosamente nada. Com 50 anos já não muda, nem eu a consigo fazer mudar, nem ela lhe encontra necessidade na mudança. Por isso mesmo faz parte das "obrigações" que criei no meu mundo sair com ela 1 vez por semana para não estar sozinha.
Espera-me um dia perfeito...

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Lá em Liliput somos todos assim...

Em Liliput as mulheres são muito dadas ao namoro e a tudo o que lhe corresponde. São os momentos de intimidade, são os programinhas a dois, é o fazer amor e passar as noites juntinhos, são as surpresas românticas... Contudo com os terraqueos não é bem assim. Ontém houve noite a dois, mas também houve uma conversa iniciada pelo sr fofinho e da qual não participei muito. No fundo ouvi um raspanete porque devo ser mais descontraida, menos exigente, ter mais calma, não amuar, não fazer birras. Quanto muito quando as coisas não correm de acordo com aquilo que me parece desejavel conversar ao de leve sobre o assunto, mas não encontrar nenhum drama no facto do meu namorado não demonstrar a sua necessidade de "namorar" comigo, de não me dizer que sente saudades minhas ou que gosta de mim. Porque não quer dizer que essas coisas não aconteçam, só que eu tenho que adivinhar que é isso que se passa na sua cabeça.
Ainda argumentei pouco e mal, que sou mais emocional e ele mais racional. Que conforme é normal que não demonstre tanto o que sente eu seja o oposto, mas pouco mais que isso. Limitei-me a dizer que seria mais comedida e a conversa ficou por ali. Nenhum dos dois é dado a discussões e ainda bem! Bom já a achar que me tinha excedido muito quando nos enroscamos ainda lhe disse um gosto muito de ti, para o qual obtive um silêncio absuluto e um rosto sem expressão...
É verdade que me soube muito bem dormir aconchegada. Lá em Liliput detestamos dormir sozinhas, mas acordei com uma estranha sensação de vazio. Não me apetecia conversar e não pude deixar de sentir que realmente ele se desdobrou para conseguir estar aquela noite cmg, porque percebeu que estava sentida com a ausência e que de facto era importante para mim, mas não conseguiu fazer com que eu sentisse que também era importante para ele. Fiquei com a sensação desconfortavel que com apenas 6 meses de relação, não era assim tão essencial mais uma noite juntos, ficou o sabor amargo do sacrificio. E passei um dia estranhissimo, entre a dualidade de ele se ter esforçado para lá estar (mesmo tendo dado um raspanete á menina) e o facto de não o sentir empolgado com isso. Adoro-o é um facto, mas tenho dias em que olho para ele e não o sinto meu namorado. Encontro uma falta de entusiasmo pela relação que me corta o coração.
De qualquer forma lá em Liliput, também temos por hábito fazer o mais possivel as vontades aos outros. Se o Fofinho acha que se eu for mais descontraida e menos exigente com ele a relação só tem a ganhar é o que farei. Vou passar a ser uma namorada versão ligth! Acho que é isso que ele pretende, contudo não sei se percebe o que isso implica...
Lembra-me a frase - Cuidado com o que desejas, porque pode realmente tornar-se realidade. Ora eu não sou dona da verdade e se ele prefere que seja mais desprendida e mais de acordo com o comportamento que adopta comigo, a bem da relação é isso que vou fazer. Talvez ele esteja certo. Não tenho que estar sempre a enviar msg, a fazer convites, a demonstrar desejo, saudades ou constantemente a mostrar que gosto dele a torna-lo seguro do meu amor.
A minha dedicação e vontade que esta relação funcione será domonstrada em adaptar o meu comportamento áquilo que ele considera mais desejavel, com tudo o que isso implica obviamente. Parece-me que vamos ficar os dois mais felizes.


quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Ameaça de 3º guerra mundial chega ao fim

Homem a organizar a sua agenda semanal:
Futebol
Amigos
Futebol
Futebol
Futebol
Festa com os Amigos.

Está feito.
Hummmmm... espera lá falta qq coisa aqui...
Então existe alguém que é amorosa para mim, que me dá muito prazer, que me enche de miminhos e faz as vontades todas! O que será? Meu Deus o que será?
Ah é isso! Tenho uma namorada!
Deixa lá olhar melhor..... tenho uma namorada mas não tenho espaço na agenda para a namorada. Bom vou encaixar a miuda do buraco que sobra, ela de certeza que não se importa. Sou mesmo inteligente pah!

Pois os homens que gerem as agendas assim, ou não são nada inteligentes, ou as namoradas são msm burras!
Esta aqui não fica com os restos nem se encaixa nos buracos!

Que tal passar a dividir o tempo igualmente entre as coisas que gostam e não deixarem as pessoas de quem gostam para o fim da lista? É que as coisas de que nós gostamos não têm pernas... já as pessoas têm e ás vzs até as usam para sairem dali.

Por desta vez escapa e a situação foi emendada á ultima da hora e eu ajeito-me para ser encaixada da melhor forma que ele conseguiu dps de um dia cmg a prender o burro. Temos tréguas, senhores temos tréguas.