sexta-feira, 24 de novembro de 2017

35 semanas de gravidez

Aquilo que muita gente não sabe...

Tentei engravidar sem sucesso durante 3 anos. Nunca ninguém leu aqui no blog que conseguia ou não engravidar, ou se estava sequer nos meus planos. Fora da blogosfera nunca me queixei, nunca desanimei, nunca pensei que fosse impossível, nunca fiz tratamentos para que pudesse acontecer. Limitei-me a viver. A vida tem tantas coisas boas, bonitas e importantes além de ser mãe... e eu concretizei muitas delas enquanto não engravidei. E agora que estou quase a ter o meu bebé nos braços tenho a certeza que esse foi o melhor caminho. Olho para o ano que está quase a terminar e penso - foi um ano péssimo a nível financeiro e da quantidade de stress e problemas que me surgiram. Não tive um único mês bom. Não pude compensar nenhuma dificuldade como fazia antigamente e ainda tive que lidar com as frustrações de quem me acompanha nesta aventura. Ainda assim, estou preparada para tudo isto e para entender que mais do que dizer que ter um filho é saber fazer sacrifícios, é sim fazer escolhas. E há algo melhor do que poder escolher o que queremos?


quinta-feira, 23 de novembro de 2017

My happy place

É isto o meu mundo, sem acrescentar ou retirar uma virgula que seja. Vá expecto o álcool, com muita pena minha, mas neste momento o baby não pode conhecer as alegrias que um bom gin transmite...


quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Uma prenda de Natal antecipada

Não me queixei por lavar à mão a loiça durante estes dois meses. Até já me tinha mentalizado que durante o próximo ano iria ser assim. Mas uma alma caridosa pensou em mim e nesta nova fase da logística de tratar de um bebé. Por isso hoje recebo de prenda de Natal antecipada, esta menina...


Mais moderna e económica do que a que avariou e que eu espero que dure bem mais anos. E o jeito que me vai dar já ter a máquina quando no final do mês fizer o jantar de aniversário do Sr Fofinho?

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Agora acabou a brincadeira

Tem corrido tudo muito bem, nesta nova relação entre mim e o baby, mas chegou a altura de ele perceber que a mãe é que manda. Já o tinha avisado que está terminantemente proibido de nascer sagitário e esse período de extremo risco para a nossa relação e para a minha sanidade mental começa hoje. De hoje até 21 de Dezembro ele vai ter que ficar muito sossegadinho dentro da barriga da mãe, até porque se quiser garantir uma existência feliz cá fora, tem que começar por este simples facto de não nascer sagitário. Ninguém pense que sou uma ditadora... até lhe disse que podia ser escorpião, mesmo nascendo mais cedo que o previsto. Não quis. Também pode nascer capricórnio de acordo com as normais previsões da obstectra, que vai ser muito bem tratado. No fundo o futuro só depende dele...


segunda-feira, 20 de novembro de 2017

domingo, 19 de novembro de 2017

Os pijamas e viver em Portugal

Recebi email com as promoções da women's secret e olhei para os pijamas que bem preciso de renovar. Basicamente, não compro pijamas de inverno e 90% dos que uso são ofertas de natal. Alguns ficaram da minha mãe, outros herdei do enxoval da minha madrinha e com uma barriga de gravidez de 8 meses só uso camisas de dormir que os elásticos das calças me incomodam. Não vai ser este inverno que vou renovar o stock de pijamas a meu gosto, mas quando o fizer vai passar por este género...

De inverno prefiro pijama e de verão prefiro camisa de noite. Acho um bom compromisso entre a elegância e o conforto estes pijamas camiseiro em tecidos suaves.


 Mas a minha realidade é esta: pijamas quentinhos, polares, felpudos, cor de rosa ou azul bebé e por vezes cheios de bonecos. Eu sei que não são a visão mais encantadora de nós próprias, principalmente quando nos mostramos aos maridos cheias de hello kities e amiguinhas, mas antes isso que morrer de frio. E depois se quem divide a casa e a cama connosco não nos aceita nesta figura nada sexy, quem vai aceitar?


A colecção também tem muita renda e transparência que eu gosto, mas no verão. Somos inundados por aquele universo das novelas brasileiras ou das casas super aquecidas dos filmes de Hollywood em que as senhoras simplesmente besuntam cremes no corpo e colocam uma lingerie antes de se deitarem. Muito giro, mas eu não vivo propriamente no Rio de Janeiro...



sábado, 18 de novembro de 2017

Pois já não dá

Nunca fui pessoa dada a relações tóxicas ou a conviver com quem me faça mal. Depois tenho outra característica que é gostar do isolamento e de estar sozinha comigo própria e com os meus bichos. Quando o bebé nascer vou ter mais um ser que partilha deste meu espaço confortável de lucidez e recolhimento. Não tenho a menor dúvida que em casa vamos ser felizes, eu o bebé o cão e as gatas. E a propósito do "desta água nunca beberei", quase que aposto que nunca me vão ouvir dizer que estou farta de estar em casa com o bebé e que preciso de tempo para mim. Não sei bem o que significa esse tempo para mim, nunca soube, porque sempre o tive, com mais ou menos responsabilidades, mais ou menos gente, animais, tarefas a dependerem de mim. É que dentro da minha cabeça e dos meus pensamentos ninguém entra e esse espaço e tempo é todo meu e é tudo quanto basta para estar equilibrada. Agora confesso que aquilo que já não consigo fazer é perder tempo com gente desajustada da realidade. Começa a ser um sacrifício que não consigo manter e que efetivamente altera o meu equilíbrio mental. Sempre alterou e eu ia lidando com isso, mas agora não posso permitir que isso afete o ser que mais depende de mim. Por isso - Pessoas tenho pena, mas muitas chamadas não vão ser atendidas, muitas campainhas não vão ser ouvidas e muitos não posso ou não quero vão ser proferidos. Tudo para bem da minha sanidade mental.


Assim vai ser. Eu o bebé, os bichos e mais uma ou duas pessoas. O resto é ruído, é confusão, é gente que anda perdida, à espera que alguém lhes indique o caminho. Isso é batota... e se tiver que fazer de lanterna, que seja para o meu filho...