segunda-feira, 30 de junho de 2014

A montanha russa dos afectos

Não gosto de montanhas russas. E este post poderia simplesmente ficar por aqui... mas não fica. 
Porque todos podemos ou não embarcar em montanhas russas na nossa vida. Quando nos pedem para sair da nossa zona de conforto e nos indicam que o melhor caminho para nós seria aquele, já estamos em pleno movimento e em subida. Investimos e criamos balanço para ganhar a coragem de fazer algo que nunca imaginamos, algo que esperam de nós e ao qual queremos corresponder. Só que nas montanhas russas clássicas quando chegamos ao topo respiramos fundo e fazemos a preparação para afundar. Na vida real isso pode acontecer ou então o inverso... os carris começam a puxar para trás quando nós já estavamos mesmo á beira do abismo. A origem que deu inicio ao movimento deixa de estar presente, de acompanhar e de corresponder e nós ficamos pendurados no topo da montanha a pensar: se agora desço talvez já não volte a subir. Quantos movimentos destes terei que fazer mais? E porque motivo é que faço um esforço tão grande a subir, para quando finalmente me sinto pronta a pelo menos tentar, ficar novamente desamparada lá em cima? Eu não gosto mesmo de montanhas russas e cada vez me apetece menos andar nelas. Talvez quem goste de mim, tenha que entender que eu sou assim... alguém que ou é constantemente acompanhada ou então se desinteressa desse propósito.
Não gosto mesmo de montanhas russas e não tenho vontade de gostar, nem de sequer tentar. O estranho é que fico sempre pelas tentativas, porque não tenho rede lá em baixo que me segure. E não há problema nenhum em não segurar a rede nem corresponder à escalada, desde que não se espere que o outro suba a montanha.




domingo, 29 de junho de 2014

Presente de aniversário

Porque os presentes de aniversário podem ser qualquer coisa desde que faça sentido para quem o recebe, e este faz muito sentido para mim!
Uma previsão para o ano que iniciei ontem feita por uma nas melhores profissionais de numerologia do nosso mercado. E além de tudo é uma mulher fantástica.
Quem ficar com curiosidade para uma consulta é só procurar no facebook a página da querida Alda Arnauth.
 
Esta é a minha previsão e parece que me espera um ano de muito trabalho...
 
Parabéns a Você!!!
Que o Universo te traga muitos momentos fabulosos repletos de alegria e carinho neste novo ano da tua vida que começa hoje!!!
Ano Pessoal 4:
• Ideia chave: Trabalho e esforço.
• São os anos de maior responsabilidade e trabalho, nos quais, pormenores, organização e ordem estão em evidência.
• São anos práticos para meter mãos à obra e levar adiante planos e ideias surgidas anteriormente. São anos adequados para pôr ordem na vida material.
• Trabalho, esforço, concretização de projectos materiais, apelo à responsabilidade.
• É a altura de cuidar da planta que foi semeada no ano de 1 e que tem vindo a crescer nos anos anteriores, com disciplina e concentração.
• São anos lentos, exigindo paciência, esforço e determinação.
• Pode ter de cuidar da sua saúde ou da de alguém da sua família.
• Poderá ter problemas sentimentais, dificuldades económicas e bloqueios de desenvolvimento de projectos. Encare tudo isto como situações passageiras que irão ser resolvidas.
• Precisará também de cuidar de bens materiais e de economizar. Todo o sucesso que conseguir, virá por ser económico, prático, eficiente, corajoso e persistente.
• Não são alturas favoráveis para viajar nem para empreender mudanças.
Abraço grandeeeeeeee

sexta-feira, 27 de junho de 2014

E hoje ás 10.15 da manhã

Faz 32 anos que nasci!



E este ano não fiz pedidos nem lista de prendas. Tenho tudo e tenho todos os que quero (e lembro sempre aqueles que já cá não estão para celebrar comigo). Todos sabem que detesto celebrar o meu aniversário, mas desta vez até decidi juntar a família e 2 ou 3 amigos para fazer um jantar de aniversário! Este ano tenho tudo, saúde, amor, algum desafogo financeiro e as pessoas que mais quero na minha vida! Desta vez a lista está completa :-)

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Schopenhauer - eu até nem gosto dele mas...

Foi o único que me deu a definição exacta da personificação da inveja nesta pessoa que eu cá sei. Pessoalmente tenho uma péssima ideia de Schopenhauer. Não era nem de longe um dos melhores filósofos do seu tempo, extremamente retrógrado e com uma péssima relação com as mulheres, sem qualquer noção e\ou interesse sobre o mundo feminino. Não admira que fosse um frustrado nos amores. Talvez por tudo isto fosse aquele que melhor poderia dar uma definição da inveja...
Tal e qual como esta mulher que hoje ocupa o meu pensamento. Feia por fora e por dentro, desinteressante, de fraca inteligência e com um sentido muito apurado no que diz respeito á comparação da sua vida, com as demais. São os namorados e maridos das outras, que não têm comparação possível porque ela não tem nenhum e este é mesmo um daqueles casos clássicos em que se tivesse, passaria a gastar metade da energia a invejar a vida das outras. Sim, porque não são só os afectos... e os carros que as outras conduzem? É coisa para a deixar para a deixar com uma crise de vesicula. As roupas que usam, o dinheiro que têm, a vida social e as viagens que fazem. Tendo em conta tanto a invejar, tenho para mim que a criatura neste momento já deve ter os ácidos todos trocados e bílis a circular pelo coração.
 
 

Nem um camelo na minha vida

Destes... porque dos "outros" é como no caso dos chapéus  que existem  muitos.



É que vai haver uma feira chamada Arabian Days em Faro e eu vou para lá de férias 15 dias depois de ter terminado!

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Detesto estas intelectualices

Já chegou cá a casa o programa do Festival de Teatro de Almada, que é efectivamente um dos mais conceituados do país. E de todo um programa a única peça que me interessa é Macbeth de Shakespeare, mas claro que com a sorte que eu tenho é representada por uma companhia de teatro esloveno e eles colocam legendas! Realmente o melhor mesmo é rir, para não chorar....
 
 

terça-feira, 24 de junho de 2014

Maléfica

Daqueles filmes em que não há nada de mal para dizer. Gostei desta nova abordagem da historia. Gostei do casting na escolha de actores, da música e da fotografia do filme. Mas acima de tudo adorei o trabalho da Angelina Jolie e acho que os filhos vão sentir sempre um enorme orgulho ao ver o tão bom desempenho da mãe naquele papel.
 
 

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Liliput confessions

É assim que vejo as minhas colegas quando me dizem que estão ansiosas para que comece o Mundial. ai que bom que é ir para as esplanadas repletas de adeptos e beber uma jolas!


Are they real?


domingo, 22 de junho de 2014

Gluupp engoli um tigresse

Temos animal felino de volta ás praias! É que o fato de banho preto com as lantejoulas não me ficava bem e Sr Fofinho teve que comprar um tigresse que era o único de que eu gostava além do preto. Acho que tão cedo não volta a fazer piadinhas sobre o padrão dos meus fatos de banho. Agora só falta mesmo o calor para ir á praia...
 
 

sábado, 21 de junho de 2014

Onde está?

Diz que começou hoje, mas ninguém o encontrou por aí...




sexta-feira, 20 de junho de 2014

Faudel Baida





Daquilo que poucos sabem... este Sr (e família) esteve literalmente presente na minha vida entre os 16 e os 18 anos. Foi um primo seu que ao som das músicas do Faudel me ensinou dança do ventre. Isto é raro, porque embora alguns dos melhores professores de dança sejam homens, não é comum encontrar
na europa algum que seja realmente bom e que queira investir o seu tempo em nós.
E a primeira lição é teórica e diz assim: na natureza muitas vezes não são as fêmeas mais vistosas as mais desejadas, mas as que se sabem manter imoveis no momento certo. Na dança do ventre assim é. Entender a capacidade de isolar movimentos e zonas do nosso corpo de forma sequencial. Eu até posso andar a "rebolar-me" toda ao som da música e até com alguma graça, mas se souber imobilizar a zona certa no momento certo serei uma grande bailarina de dança do ventre. Porque muitas vezes é precisamente aquilo que não se consegue ver mexer, o que mais se antecipa e deseja.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Como conseguir que o namorado nos compre um Fato de Banho

Preto... cheio de lantejoulas?

É certo que faço anos daqui a uns dias, e podia simplesmente pedir de prenda de aniversário, mas não é de todo fácil convencer um homem a oferecer um fato de banho com o qual ofuscamos literalmente toda a praia!


Então a estratégia foi a seguinte: desapareceu um fato de banho padrão tigresse que eu adorava. Sr Fofinho ao ver que revirava a casa toda lembrou-se de dizer que o tinha encontrado no final do ano passado, quando estava a arrumar umas gavetas e como o detestava convenceu o meu pai a fazer panos do pó com ele! Claro que lhe disse que se a culpa era dele agora teria que me ofecerecer um fato de banho novo!
Não passou tudo de uma brincadeira mas eu fiquei na minha e chorei baba e ranho umas 2h.
Hoje tivemos muita dificuldade em comunicar durante o dia por causa dos dois jogos de futebol dele. Quando finalmente me ligou - ai coitadinha de mim que já não me ligas nenhuma... sniff sniff... ele bem se desfez em desculpas mas eu disse que isto já só passava com aquele fato de banho das lantejoulas.
E já está! Sábado vamos ao el corte inglês para ele o comprar.

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Liliput confessions

Acho um piadão ao Dr Quintino Aires!




Se não fosse "amplamente" bem comprometida, aceitaria de bom grado um jantar a dois com o Quintino... 




terça-feira, 17 de junho de 2014

Post a la facebook

estado em que me encontro esta manhã...

 
Já desci da cama e estou a caminho da oficina para ir buscar o carro e deixar lá 500€!
5 horas de sono, muito dinheiro a gastar e ainda ter que esperar outra vez pelo autocarro.
Depois desta manhã fabulosa o meu dia só pode melhorar...

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Lady Antebellum - Need You Now





E se o Amor não for isto o que será? O meu tem muitas noites assim... mais do que aquelas que gostaria de admitir.

domingo, 15 de junho de 2014

James Morrison - You Give Me Something





Eu acredito em amores assim, mas devo ser das poucas a acreditar...

Uppsss

Fiquei sem computador... outra vez! Deve estar corroído de vírus e ontem deixou de responder a qualquer comando. Entretanto a minha madrinha que tem um portátil Toshiba novinho, achou que dadas as circunstâncias da avaria e a proximidade do meu aniversário era boa ideia oferecer o Toshiba que ela não usa. Claro que é muito melhor do que o meu acer velhinho mas também muito diferente! Enquanto o meu foi para arranjar já tenho aqui o Toshiba novinho e ando em luta com ele. O ambiente de trabalho é tão diferente e as disposições também, que por muito idiota que possa parecer ainda estou a considerar a oferta. Vamos ver se dentro de 1 semana eu e o bicho pc novo ficamos amiguinhos!
 


 

sexta-feira, 13 de junho de 2014

A linha que separa

os afectos das reacções.
Todos temos nas nossas vidas pessoas de quem gostamos muito, sejam família, amigos, ou um amor que nos desiludem constantemente. Se ultrapassarmos as questões de carácter  (porque acredito que nenhum de nós quer gente de mau carácter na sua vida) provavelmente temos problemas com essas pessoas por uma questão de feitio. Conseguem fazer sempre aquilo que nos magoa, que nos tira do sério, mas isso não quer dizer que deixemos de gostar delas. Nem sequer acredito que tenhamos a possibilidade de erradicar esses sentimentos da nossa vida. Então o que podemos fazer? No meu caso escolhi viver com alguém que não me desilude. Alguém que nos assuntos que me parecem fundamentais está sempre disponível. Claro que temos as nossas cenas do dia a dia. Claro que reclamo porque não arruma a roupa e deixa os sapatos espalhados pela casa. Resmungamos quando um quer ir mais cedo para a cama que o outro (geralmente eu) e nos obrigamos a ir deitar ao mesmo tempo porque é assim que os casais devem fazer. Também me zango quando ele deixa os papeis dele para eu tratar ou quando deixa cinza no bidé da casa de banho. Mas nada disto me desilude. Cumpre sempre as suas promessas. Faz-me sentir a sua prioridade em todas as decisões da sua vida (laboral, sentimental e familiar) passa todo o tempo disponível comigo e a única pessoa que coloca à minha frente é ele próprio em meia dúzia de jogos de futebol. Ok, posso dizer que tive sorte em o encontrar, mas também orientei a minha busca para aquilo que não estava disposta a tolerar. É impossível para qualquer um de nós viver com alguém que nos está sempre a desiludir. Por muito especial que seja, se por cada 5 coisas espectaculares que faz por nós, logo de seguida em 2 nos desilude não há relação que resista. E as mulheres por muito intensas que sejam, preferem a constância num relacionamento... Depois temos as cenas com os amigos e familiares. Temos sempre aqueles que nos deixam penduradas e que nos estão sempre a trocar as voltas. Temos os de humores instáveis. Vamos fazer o quê? Deixar de lhes falar? Vamos sim continuar a gostar deles mas a reagir melhor ás suas acções e acima de tudo protegermos do mal que nos fazem. Já fiz uma promessa a mim própria depois de uma viagem que correu terrivelmente mal, nunca mais voltar a ir de férias com essa pessoa. Não deixei de me relacionar com ela e durante 10 anos mantive o que prometi a mim mesma e não gastei esse meu tempo de lazer a ir para sitios em que de certeza me ia aborrecer com ela. Passados 10 anos voltei a dar uma chance e fizemos 2 viagens juntas que correram muito bem. No fundo o importante é sabermos afastar das situações que nos causam conflitos e problemas. Se eu tenho um amigo que me deixa 90% das vezes pendurada, que não cumpre as suas promessas e é de uma total inconstância, eu vou tirar dias de propósito para estar com essa pessoa? Vou fazer planos de férias ou coisas que são importantes para mim com alguém que tem sempre a mesma atitude? Pois só se for muito parva.... As lições nós vamos aprendendo ao longo da vida, mas também temos que as colocar em prática. Hoje em vez de tentar reagir o melhor possível a uma desilusão tento evitá-la o mais que posso. Quem não propõem não sofre recusas. Quem não espera, não corre riscos de se desiludir. No fundo quem não dá, não se importa de não receber.


Depois de tudo isto acredito que o afecto se mantém intacto. Só não sei quem perde mais... quem prefere não dar para não se magoar? Ou se quem tanto fez, que acaba por não receber?

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Tango com Antonio Banderas no filme Vem Dançar





Soube-me tão bem rever...

Sabores de São Miguel

É obrigatório beber...


Os refrigerantes feitos na ilha. Eu adorei o Kima de Maracujá. Quem já experimentou os Brisa da Madeira fica a pensar que são a mesma coisa, mas não é verdade. Estes refrigerantes de São Miguel são bem menos doces que os da marca brisa.


Para quem gosta de vinhos é bom experimentar os dos Açores. A maioria é feita no Pico, embora São Miguel também tenha meia dúzia deles mais ou menos conhecidos. A questão é que para quem gosta mais de vinho branco como nós as opções não muito menores do que nos tintos.


Uma das entradas mais típicas da ilha é este queijo fresco com o pimentão vermelho. Pessoalmente não gostei da combinação.


Depois ninguém vai mal servido com os bifes açorianos. As vaquinhas de lá têm muito pasto o que acaba por lhes dar um sabor maravilhoso à carne.


E quem vai ás furnas não pode deixar de experimentar o cozido das furnas. Nós recomendamos o do restaurante Tony's mesmo no largo das furnas, por uma boa relação qualidade/preço.



Eu ainda experimentei outro prato sobre o qual tinha lido nos guias gastronómicos da zona, que são os carapaus com molho vilão. Eram bons sim senhora, mas nenhuma novidade se já têm por hábito fazer em casa um molho à espanhola para acompanhar o peixe ou uma simples mistura de azeite, vinagre e colorau.


quarta-feira, 11 de junho de 2014

Pobre Baudolino

anda quase tão abandonado como o blog. Tenho momentos em que encalho num livro e ando meses sem o conseguir terminar. Este desgraçado já foi para os Açores e voltou de lá intacto, é que nem no voo li uma página que fosse. Vamos ver se hoje lhe consigo dar um bom avanço no sossego do lar, em vez de cair na tentação de ir dormir a sesta...


sábado, 7 de junho de 2014

Da revisitação

este podia muito bem ser o titulo de um livro do Virgílio Ferreira, mas é apenas uma ideia minha. Um pensamento que queria colocar aqui, mas as palavras apenas formavam imagens, nunca um texto. Esta sensação da revisitação é importante no sentido da nossa  tendência em regressar aos locais onde fomos felizes. Mas fomos felizes como? Porque estávamos sós naquele local e nos conseguimos reencontrar? Porque recebemos uma boa noticia naquele preciso lugar? Ou o sol batia no nosso rosto de uma forma que nunca antes tínhamos sentido? Ou seria simplesmente por estarmos acompanhados pelo "Sol" da nossa vida? E se assim fosse, que triste seria ter apenas um Sol porque nem sempre ele brilha... E a ser tudo isto verdade, então nunca regressamos aos locais onde fomos infelizes? Onde tivemos as piores sensações? Posso garantir que me sinto igual a mim mesma quando vou ao hospital de Almada, ou quando passo nos dos Capuchos. Sinto a mesma serenidade de sempre quando vou ao Jardim do Tourel, se estiver serena e sinto uma grande emoção no Miradouro da Nossa Sra do Monte ou no terraço do Mercado do Loureiro se estiver numa daquelas noites em que até as pedras da calçada eu ano. Então a revisitação dos locais é assim tão importante? Porque será que amigos de longa data ou amantes de sempre se reencontram nos locais que lhes eram comuns? Será que ficou lá ancorada alguma parte de nós que queremos resgatar? Eu já acreditei que sim, hoje nem por isso. Penso que somos nós que agregamos aqueles locais, aquelas sensações que nos causaram, em microparticulas que se fundem na nossa pele, que se agregam ao nosso rosto até que conseguem para sempre mudar a nossa expressão. A expressão com que olhamos os outros e o mundo em que estamos. Por isso mais que revisitar sozinho ou acompanhado, é preciso é buscar a nova emoção que um novo local nos possa trazer, para que o possamos mais tarde agregar e sermos para sempre um bocadinho um do outro. Nós e a terra, o vento, o pássaro que passou, ou a lua que brilhava. É também por isso que quando entro numa sala cheia de desconhecidos me sinto imediatamente atraída por quem mais agregou vivências e mundos em si, por quem soube encontrar-se num qualquer recanto por onde milhares de pessoas passam, mas que nenhuma o tomou para si.


sexta-feira, 6 de junho de 2014

Não vivo sem...

A Cristina,. que é a minha esteticista desde os meus 16 anos. Esta última semana andei desesperada à sua procura porque já só trabalha por marcações o que significa que nem sempre está no gabinete e por um azar o telefone fixo deixou de funcionar. Eu que lhe ligo sempre para o fixo, andei 1 semana em desespero para marcar a depilação e só hoje finalmente a consegui encontrar! É que muitas fazem bem as depilações, mas não é em qualquer gabinete e com qualquer pessoa que me sinto à vontade para para depilar as virilhas.É que pernas são pernas, e o resto, é intimo demais. Por isso em desespero de causa passei pelo gabinete na  esperança de a encontrar e pude finalmente suspirar de alívio quando fiz a marcação.




quinta-feira, 5 de junho de 2014

Parque Terra Nostra

Há um jardim no Vale das Furnas há mais de duzentos anos. Do alto do Miradouro do Pico do Ferro percebe-se que não é propriamente um vale. É uma cratera, com 7 quilómetros de diâmetro, última memória de um vulcão há muito inativo.


Embora inicialmente ignorado pelos primeiros povoadores, o Vale das Furnas começou a ser popular no final do séc. XVIII, devido ao crescente interesse no uso de águas minerais para o tratamento de doenças como o reumatismo e a obesidade. As Furnas possuíam centenas de pequenas nascentes e cursos de água, todas com diferentes propriedades. O Parque Terra Nostra estava no centro desta magnífica hidrópole.



Ora aqui estou eu a banhos na caldeira com água repleta de enxofre. Lembrando uns posts de há uns tempos atrás eu usava um champô da Ducray por causa da seborreia nervosa que tem enxofre na sua composição. Agora imaginem o regalo que foi para o meu couro cabeludo mergulhar nesta água! Por isso mesmo fui lá 3 vezes nos 5 dias que lá estive. Ora atentem ás suas características: O enxofre tem sido muito utilizado por dermatologistas porque possui propriedades de um antifúngico, antibacteriano e queratolítica, por isso tem sido usado para tratar distúrbios como acne vulgar, rosácea, dermatite seborréica, caspa, pitiríase versicolor.
Posto isto os banhos na caldeira operaram maravilhas na minha seborreia nervosa.


No Parque Terra Nostra, podemos encontrar flora endémica dos Açores, mas também inúmeras plantas nativas de países com climas completamente distintos do existente nas Furnas.


Num parque bicentenário, encontram-se, ao longo dos vários percursos possíveis, plantas em fases de crescimento muito distintas. 



Nas últimas duas décadas, o parque tem vindo a enriquecer, ainda mais, o seu património botânico com a aquisição de novas espécies vegetais. Esta constante preocupação em diversificar para enriquecer a flora existente levou a que, atualmente, o parque possua grandes coleções e jardins com plantas de importante valor histórico e cultural. Estas coleções e jardins são, designadamente, a Coleção de Fetos (com cerca de 300 exemplares, de diferentes espécies, variedades e cultivares), a Coleção de Cycadales (com 85 exemplares, de diferentes espécies e subespécies), a Coleção de Camélias (com mais de 600 exemplares, de diferentes espécies e cultivares), o Jardim da Flora Endémica e Nativa dos Açores (onde estão reunidos alguns exemplares das principais plantas endémicas da ilha de São Miguel) e, por fim, o Jardim de Vireyas – Rhododendrons da Malásia, com exemplares em tons branco, laranja, rosa, salmão e vermelho.


E porque é que é tudo tão verde e fértil? Porque a  humidade relativa do ar é elevada ao longo de todo o ano atingindo valores que andam à volta dos 80 a 92%. Isto deve-se, sobretudo, ao facto da freguesia encontrar-se a uma altitude considerável e ser muito rica em vegetação.


A freguesia de Furnas usufrui assim de um micro-clima que, associado a um solo com características vulcânicas e à existência de inúmeros recursos hídricos, permite e potencia a adaptação de uma grande diversidade vegetal.


É um daqueles locais que fica para sempre gravado na nossa memória, e no meu caso até tenho uma desculpa para lá voltar todos os anos - tratar a seborreia nervosa...

terça-feira, 3 de junho de 2014

A fuego lento (Rosana)





 uns dias com labaredas altas, outras crepita baixinho.

Se Deus fosse mulher

não seria necessariamente melhor. Isto, contrariando aquilo que muitos dizem sobre a falta de sensibilidade masculina e uma forma mais conciliadora de ver as situações. Olhando para uma empresa em que o chefe é um homem, muitos se retraem, ao pensar que poderá não estar próximo de um universo feminino e possa não compreender as necessidades pessoais e familiares de uma funcionária. Por vezes assim é, outras talvez por essa realidade lhe ser tão distante, dá alguma margem de manobra, porque realmente tem noção de que as exigências são diferentes. Mas pior do que depender de um chefe homem, é ter no lugar de quem toma decisões uma má mãe. É que uma mulher que não soube e não sabe ser boa mãe também não permite que as outras o sejam, quando tem poder para isso. Não sei se o fazem em consciência ou se para se convencerem de que não faz mal terem filhos que são os outros que criam, porque a sua agenda pessoal vem primeiro.


segunda-feira, 2 de junho de 2014

São Miguel - dia 1

Primeiro impacto - Tudo é verde para onde quer que se olhe!


Furnas - Mapa para orientar o percurso entre caldeiras lagoas e poças da água quente.


Largo das Caldeiras é uma paragem obrigatória para tomar um primeiro contacto com o fenómeno das fumarolas.


O melhor é ler sobre o assunto antes de lá chegar, se não correm o risco de terem que explicar todo o processo desde a pressão do núcleo interno da terra até á saída dos vapores e os gases que libertam. E daí talvez não... talvez seja só comigo que acontece a famosa frase - pergunta á Susana que ela sabe tudo. A Susana não sabe tudo e também usa o google.... mas não nesta viagem.


Existe um pequeno centro de microbiologia no local onde se podem informar sobre estes fenómenos e perceber os principios termais das águas com enxofre na composição.


E depois podem visitar a Lagoa das Furnas, que é de todas a que menos impacto causa e talvez por isso seja a primeira a visitar. É de fácil acesso e se forem por volta do 12h ainda conseguem assistir á retirada do cozido das furnas.




Quando começarem a pensar que o território a explorar é todo muito semelhante, preparem-se para uma surpresa magnifica - A Lagoa do Congro, a minha favorita.


Como não sabia ao que ia comecei a descer o trilho tal como o encontrei - de sabrinas e casaquinho de malha e só por sorte deixei a mala no carro.


Este trilho é bastante dificil - tem quedas de água, piso molhado, árvores de grandes dimensões caidas no meio do trilho. É preciso ir com muita atenção onde se coloca os pés e não se deve ir sozinho neste percurso... é que não há rede de tlmvl caso vos aconteça algo.


Claro que depois de 30 a 40 minutos a descer a recompensa é esta! Uma lagoa do mais verde que há numa paz que é impossivel perturbar.

domingo, 1 de junho de 2014

Maria João Quadros, "Fado Santa Luzia" - "Meu amor, abre a janela"





Porque quando a saudade me encontra,  eu posso não estar sozinha...


Ontem ofereci um jantar de fados á família mais próxima. Fomos à Casa da Mariquinhas, onde ouvimos entre outros a Maria João Quadros. Este fado foi novidade para mim e foi aquele de que mais gostei. Fiquei agradavelmente surpreendida com esta casa de fados, que estava repleta e portugueses e nestas coisas por vezes sou um bocadinho egoísta e é bom sentir que estamos num espaço luso, sem estrangeiros à mistura. Porque para quem gosta de fado, não há nada mais deprimente que estar em Lisboa e ir assistir a uma noite de fados para quem não os entende.