segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Aquilo de que não abdico II


Depilação. Não tenho jeito para andar como uma macaquinha. E nem aquelas desculpas de ter namorado ou não de usar saias ou não, me convencem. Detesto aquele periodo em que os pelos já se sentem mas ainda não estão bons para tirar. Mas os meus já passaram essa fase este mês e é por isso mesmo que esta semana lá vou eu outra vez. E deixem-se de tretas que aquilo não doi nada. Mau é uma dor de dentes.

domingo, 30 de janeiro de 2011

Saturday night fever


Não foi febre, mas foi quase mais um dos meus ataques de pânico. Então cineminha combinado para a última sessão no Alegro (centro comercial ao qual nunca fui), com filme a ser escolhido pelos dois. Tudo óptimo, combinamos ás 22h para ter tempo de conversar e tomar café e aqui a menina disse - ah eu sei ir lá ter, subo em direcção do Ikea e depois viro á esquerda para ir ter ao Alegro até tem uma ponte para o lado do centro. Mas como era uma novidade, e eu que sou filha de militar e estou habituada a ser pontual, resolvi sair mais cedo, não fosse acontecer alguma coisa. E aconteceu.
Estou na rotunda do Ikea e vejo uma placa á direita para ir para o dito, em frente uma que dizia Alfragide, Bruraca, Carnaxide etc e a da esquerda Sintra e Amadora. Nada de ponte ou placa para o Alegro. Dei duas voltas á rotunda e pensei, bom o Alegro pertence a Alfragide pelo que não faz sentido nenhum seguir pelas outras... e assim começou a aventura! Andei 20 minutos perdida entre as ruas da Buraca, a zona industrial de Alfragide e apanhei uma estrada escura e sinistra que já me mostrava a placa para Carnaxide, estava óbviamente perdida. Não me importo de andar perdida, mas acompanhada, não áquelas horas da noite sozinha no carro sem fazer a menor ideia onde estava. 21.50h, parei o carro e liguei para o C quase a choramingar que estava perdida e que não sabia chegar lá. Expliquei onde estava e ele disse-me simplesmente para voltar para trás nessa estrada e esperar por ele nas bombas da Galp que me ia lá buscar. Assim foi. Ainda pensei, tomo o comprimido sos, mas depois disse para mim, vais ser racional e ter calma, respira com a barriga como te ensinaram quando se faz meditação, o problema já está identificado e ele disse que em 10 minutos estaria aqui. Respirei, retoquei a maquilhagem e em menos de nada ele chegou para me salvar :-) Lá fui atrás dele, confesso que continuo a não saber ir para lá sozinha mas isso agora não importa nada! 22.10h e estavamos os dois no Alegro a caminho do cinema, fomos beber uma café e relaxei um bocadinho, toda eu tremia por dentro mas acho que o C não percebeu, e consegui controlar o meu pânico sozinha só com o meu raciocinio. O filme foi óptimo e o C não sei que bicho lhe picou mas quis ir vêr montras comigo e entrar em lojas para vêr coisas para ele. Hilariante, ao fim de 4 anos o meu amigo entendeu que eu sou a melhor companhia para as compras sei dizer-lhe tudo quanto lhe fica bem, as cores que deve usar no verão e no inverno tendo em conta o tom de pele dele e a cor do cabelo, quais são os cortes que lhe ficam melhor e os pontos fortes que o favorecem de acordo com a imagem que quer passar. Ficou apalermado como é que eu sabia tudo aquilo e não era nada chata nas compras. Podia ter perguntado logo no primeiro mês em que me conheceu que eu lhe tinha dito aquilo que sei fazer e as minhas capacidades. Acho que ficamos com um acordo tácito, ele ensina-me história e eu ensino-lhe o resto. Saimos os dois a ganhar :-)

sábado, 29 de janeiro de 2011

Last Night



Pois a menina já saiu da casca! Voltou a sair e isto é uma private joke mas tem calhado ás 6f. Eu que tanto embirrava por sair sempre ás 6f! Comecei por ir tomar café com uma amiga e os dois filhotes durante a tarde e a conversa prolongou-se até à hora do jantar. Depois foi o cinema com outra amiga e mais conversa. E ontem à noite com frio e chuva recebo um convite delicioso para tomar um chá junto á lareira do Moinho D.Quixote. O meu amiguinho é um fofo e tem sempre uma surpresa ou um sitio novo para me mostrar. E é tão bom conseguir dar oportunidade ás pessoas de darem o melhor de si, ainda bem que este ano o estou a conseguir fazer e as respostas que tenho tido têm sido incriveis. Realmente só está só quem quer... Ontém a noite foi fantástica, chá para ele e licor de morango para mim com uma óptima conversa ao som do crepitar da lenha e a vêr os gatos a passarem por nós. E parece-me que hoje há mais. Que hei-de dizer? Parece que há amigos que gostam de sair duas noites do seu fds comigo, sem sentirem que estão a abdicar de algo mas simplesmente a partilhar com uma boa companhia. Há lá melhor coisa que esta?

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Somewhere out there



Sobre a música que o sapatinho deixou no meu blog, acho que não estive há altura na resposta que lhe dei. No minimo devia ser no mesmo tom :-) Esta noite dormi sobre o assunto. Parece que os blogs estão repletos de histórias de Amor felizes e outras como estas que andam aos solavancos mas que são tão reais como as que têm um final feliz. O certo é que a nossa não tem fim há vista e parece que todos os dias trabalhamos nela sem dizer nada um ao outro. Sou daquelas que se penso nas coisas, mais vale falar sobre elas do que fingir que não existem. Por isso aqui vai a minha resposta (agora adequada) ao que cá deixaste. E sim eu sei que somos um do outro e sei também que nem que percorresses o mundo todo, nem no Japão ias encontrar uma mulher que sabe que dois simples ratos da walt disney a cantarem uma canção de amor e de esperança te fariam sorrir como estes. São para ti meu sapatinho e mais não digo, que eles cantam.

PS: Sofie eu sei que me vais cair em cima quando vires isto, mas tratamos do assunto na próxima 3f ok? Tenta apertar-me o pescoço devagarinho porque isto é mais forte que eu...

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Em resposta ao comentario do post publicado a 15 de Janeiro


Só hoje vi. Nunca pensei obter qualquer reacção da tua parte.
E sim a letra faz todo o sentido, tanto quanto aquilo que sentimos um pelo outro.
Só tu sabes o quanto me agrada dançar um bolero ao luar encostada a ti. Só tu me conheces como as palmas das tuas mãos. Mas isso já nós sabiamos.
Estou bem.

Su

Aquilo de que não abdico I


Mesmo em tempos de crise...
Arranjar as sobrancelhas de 3 em 3 semanas. Se passa este tempo e elas começam a ficar desalinhadas sinto que sou um monstro marinho! Eu sei que é um disparate mas parece que quando as pessoas olham para mim na rua só reparam nas minhas sobrancelhas se elas não estiverem arranjadas. Pode parecer um absurdo mas é assim que me sinto.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Afinal não foi desta


Ontem coloquei a roupa em cima do cadeirão para me vestir hoje de manhã e ir trabalhar. De manhã tive um ataque de pânico e não consegui. Pensei logo em ligar ao meu médico mas ainda não eram 7h da manhã e ele podia estar a dormir, não sei os horários de banco dele. Voltei para a cama com o coração a bater muito, não me conseguia imaginar a enfrentar o trânsito e entrar novamente naquele edificio. Liguei ás 10h para o médico e deixei msg no voice mail, ele devia estar a dar consulta. Ligou-me assim que terminou as consultas e disse que já estava a espera disto, que devia ter ficado de baixa até ao final do mês mas eu fiz finca pé que queria ir antes. Disse-me que tomasse o comprimido sos e que me deitasse um pouco no sofá a descançar que a sensação de pânico ia passar. Disse-me também que isto acontece com quase todos os doentes que querem ficar bons antes do tempo e que agora tinha que me ir mentalizando que em Fevereiro era a prova de fogo, mas pensar nisso com calma e no 1º dia de trabalho que levasse victam cmg caso sentisse outro ataque de pânico. Em casa mais 6 dias e disse-me que se me sentisse mal ou houvesse alguma coisa para lhe ligar fosse a que horas fosse que ele está sempre disponivel para mim. Acho que não tenho só um psiquiatra, tenho um amigo que me ensina latim e grego em todas as consultas, que me explica como funcionam todos os medicamentos, que me ensina sobre filosofia e psicanálise e história e não me faz perguntas dificeis ou inconvenientes, deixa-me falar sobre o que quero. Acho que tenho um novo anjo da guarda!

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Ai amanhã...


Amanhã volto ao trabalho. Vamos vêr como corre voltar a ter todo aquele stress e ambiente á minha volta. A sorte é que já tenho saudades dos coleguinhas, vai ser bom estar com eles :-)
Entretanto aproveitei o meu ultimo dia em casa para ir fazer exercicio fisico, mas antes disso uma voltinha ao shoping, para espreitar as novas colecções. Nao tenciono lá colocar os pézinhos nas próximas semanas pelo menos levando dinheiro cmg. Só vi um vestido na Mango que me fez bater o coração mas para me ficar bem tinha que perder 20kg, que são mais do que o objectivo real para mim neste momento, fico pelos 17kg a menos. Um já foi yupy! Passei pela intimissi porque tenho que ter a loja debaixo de olho, o ano passado encomendei um body e uma combinação de renda, que modela o corpo para usar debaixo dos vestidos e esgotou. Fiquei sem eles. Tenho esperança que para a colecção de primavera verão façam novamente esse tipo de modelos e no dia em que os vir compro logo um de cada. Fiquei com tanta peninha deste ter esgotado...

O roupeiro em tempos de crise


Quais tempos de crise no meu roupeiro? Está repleto de tudo! Eu devia ter como a minha mãe tem um quarto de vestir só para mim. Como não é possivel faço a divisão assim, um roupeiro de 4 portas uma comoda e dois camiseiros no meu quarto que estão cheios. No quarto de vestir a mãe está o meu armário dos sapatos, é um armário generoso cabém cerca de 60 pares de sapatos, embora ainda tenha uma prateleira livre :-) e no quarto dos pais existem dois roupeiros cada um de 3 portas, o pai usa o dele, o outro está por minha conta já que a mãe tem um quarto para se vestir. Visto assim eu sei que parece um excesso, mas com a história de emagrecer e engordar a roupa que uso varia em 3 números daí ter tanta coisa. Ainda assim sou daquelas pessoas que a cada mudança de estação faz uma limpeza no armário e dá as peças que já não usa a instituições, sempre fizemos isso aqui em casa, até mesmo com os brinquedos. Após análise ao roupeiro a situação é a seguinte:

- 6 camisolas de inverno por estrear. 1 cardigan e dois casacos de inverno também por estrear. Umas calças, 2 vestidos de cocktail por estrear, um de inverno um de verão. Neste momento metade do meu guarda roupa de verão ainda não me serve, mas vai servir. Tenho montes de roupa de meia estação que é a roupa que mais gosto de comprar pelo que nos próximos dois anos nem vale a pena perder tempo com isso.
Sapatos e malas nem me vou pronunciar. No verão vou precisar de renovar 50% da roupa interior, para já vai servindo. Talvez precise comprar duas ou 3 peças de roupa interior antes do verão conforme for perdendo peso, mas nada por aí além.

Conclusão: Mês de Fevereiro e de Março a Susana só vai vêr as novas colecções naqueles dias em que se sente em baixo por a dieta estar a ser dificil e precisar de ânimo para continuar. Vou mas não levo nem dinheiro nem cartões que é para não cair em tentação. A propósito, a dieta desta vez não está a custar nada nem o exercicio fisico (desconfio que seja por estar sobre o efeito do prozac, na próxima consulta já pergunto ao psiquiatra). Já perdi 1kg desde que comecei :-)

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Em tempos de crise


Criei um plano que alia a dieta alimentar á financeira.
- Primeira parte do plano, contabilizar tudo aquilo em que gasto dinheiro desde o simples café a um jantar ou uns sapatos. Há que apontar tudo para conseguir perceber para onde vão os nossos euros e aquilo em que pudemos cortar ou não. Depois desse trabalho feito o passo seguinte foi analisar e contabilizar a despensa feminina. Não sabem o que isso é? Roupeiros e armários da casa de banho. Cheguei a esta conclusão depois dessa análise, tenho demais de tudo! Hoje vou só falar do reino de beleza que se encontra na minha casa de banho:

- Perfumes, maquilhagem, desmaquilhante de olhos cremes para o corpo, desodorizante, esfoliante de rosto, cremes, oleos para o cabelo e protectores solares e pós solares, para todo o ano de 2011. Ou seja este estou proibida de comprar qualquer um destes produtos mesmo que seja novidade.

- Conjuntos de higiene pessoal para viagem que incluem (gel de banho, creme de corpo, perfumes, escovas e pastas de dentes, creme de limpeza, tónico e hidratante) tenho para todas as viagens que pretendo realizar este ano. As maiores e as mais pequenas, assim haja dinheiro para as fazer em boa companhia!

- Gel de banho, creme de mãos, verniz e acetona, para 6 meses. Vou aproveitar os saldos de verão para repor alguns destes produtos.

- Leite de limpeza, tónico, hidrante e cremes para a celulite tenho para 3 meses. Eu sei que o Dr Oz diz que os cremes de celulite não funcionam mas gosto de os usar na mesma como complemento da deita e do exercicio fisico e principalmente quando não há massagens de drenagem linfática feitas com regularidade como vai ser o caso dos próximos dois meses. Quando estes produtos se acabarem ou compro os novos com os cartões das lojas das quais sou cliente e já tenho pontos e vales suficientes, ou compro nas lojas dos aeroportos numa das minhas viagens.

- Champô, pasta de dentes, e esfoliante de corpo só há para dois meses, a táctica é a mesma, cupões de desconto das lojas de que sou cliente apenas para comprar os produtos que fazem falta e não me distrair com os outros que brilham nas prateleiras.

Posso dizer que se cumprir este programa há risca e estando segura que não me falta nada, posso poupar em produtos desnecessários entre 300 a 400 euros este ano.

domingo, 23 de janeiro de 2011

É só mais um bocadinho...


Sim eu vou votar. Desde os 18 anos, só faltei a umas eleições penso que para as autárquicas porque estava de cama, com uma daquelas febres que nem me conseguia levantar. Honestamente faz-me confusão que não vão votar e quando são mulheres mais me irrita ainda, porque não passou assim tanto tempo desde que nos deram o direito ao voto. O povo português tem a memória curta! Eu e a mãe votamos na mesma escola que fica na nossa rua por isso vamos sempre juntas votar. Aqui em casa somos todos de cores diferentes, eu sou monárquica, a mãe de direita e o pai de esquerda e ninguém briga. Normalmente nas presidenciais o meu voto é em branco porque sou monárquica, mas este ano pela primeira vez vou votar num candidato porque acho que o pais precisa mesmo de um pouco de ordem neste desgoverno. De qualquer forma ainda vou dormir uma sestinha.... hoje o despertador tocou ás 8:30h e eu fui novamente ajudar nas mudanças com este frio horrivel. Estou de rastos, já não sinto as costas nem as pernas e preciso recuperar forças. Depois com este frio a cama é tão apelativa. Vou baldar-me ás mudanças, que um dia e meio de trabalhos forçados já chega para o meu esqueleto. Mas não me vou baldar ás urnas, lá para as 17.30h vou votar, mas até lá vai ser um bocadinho de caminha. Cá vou eu!

sábado, 22 de janeiro de 2011

Quando só me apetecia isto...


Estou a fazer dieta e exercicio fisico todos os dias já há 14 dias seguidos! Ontem o corpo cedeu e pedia desesperadamente por cama e eu dei-lhe mais exercicio. Acho que nunca tive tão motivada e tão preparada para me transformar! Hoje esteve um frio desgraçado e senti que não conseguia caminhar 7km com os cães com este frio. A contrapartida? Ajudar nas mudanças da madrinha que vive num 3º andar sem elevador. Foi das 10h ás 19h com 1h de pausa para almoço. Tendo em conta as vzs que subi e desci a escadas que carreguei pesos e que fui deitar coisas ao lixo, acho que valeu por uns 10 km...

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Palminhas, palminhas!!!


Consegui vêr a série toda dos Pilares da Terra, foi ontém o último episódio. Quanto ao calhamaço que ando a ler (calhamaço sim, porque é tão grande e pesado que não dá para levar cmg para a rua), eu bem queria ter terminado de o ler até ao final do ano, mas não era um objectivo realista. Ainda assim já li a história toda da Europa, que só isso corresponde a 1 terço do livro, já li a história da literatura e com isso arranjei uma nova dor de cabeça porque percebi que tenho uma grande lacuna em tudo o que seja escritor Russo e claro está vou ter que a emendar. Entretanto acabei ontem a história da arte, que foi um dos capitulos de que mais gostei e o seguinte é a história da música, todos os outros que se seguem são mais pequenos, pelo que já tendo acabado a série dos Pilares da Terra, gostava muito mas muito, embora não me comprometa de terminar de ler o livro até ao fim da minha baixa, ou seja, mais 5 dias. E depois pegava num romance leve em todos os sentidos, que tenha no máximo 300 páginas, que quando olho para as 700 deste livro que me tem acompanhado o último mês ainda fico com os olhos em bico.

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

As duas Susanas


Não sei se crescer é isto, não tenho respostas para tudo e ainda bem que assim é, mas sei que trabalhar o que nós somos e o potêncial de quem pudemos vir a ser é essencial. Este ano resolvi alimentar a 2º Susana que há em mim. Aquela que raras vezes aparece, mas que quando finalmente chega nada fica igual. Vou vêr até que ponto vou gostar de ser essa Susana e como é que os meus pares vão reagir ao novo eu! Na realidade não é novo, só vou deixar essa chama sobressair mais um bocadinho :-)

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Vou agendar um pecado para o próximo inverno


Neste já não encontro o que quero. Tenho um chapeu branco, mas não fica bem com o casaco novo. Na próxima estação de Outono/Inverno a primeira coisa que vou procurar é um chapeu branco de pelo para combinar com o casaco. Vou ficar com um ar siberiano mesmo que não seja a tendência dessa estação.

Eu pecadora me confesso

que pequei nos saldos, mas não muito. Nem uns sapatinhos nem nenhuma mala. Em contrapartida saiu um casaquinho destes! Não resisti, sentia-me a Marilyn Monroe com aquele casaco vestido. Estão a ver as semelhanças (do casaco óbviamente)? Depois foi um vestido de cocktail cinzento todo em renda, não era necessário que eu tenho alguns vestidos de cocktail, mas não resisti aquele. Depois seguiu-se o fato de treino de veludo que era realmente algo que precisava e foi o que acabei por estrear no dia 1 de Janeiro. Além do esfolinate e do ecran total, uma semana mais tarde numa passagem pela sephora comprei um baton lancome beje que também foi uma compra essencial ja que não tinha nenhum nessa cor. Os pecados não foram estapafurdios e a única coisa que comprei e não fazia mesmo falta foi o vestido. Mesmo assim a compra do casaco destabilizou o orçamento mensal, pelo que além da dieta alimentar que já faço vou fazer dieta financeira, nos próximos posts mostro como vou fazer. E antes que me atirem pedras pelo despesismo ou algo pior tenho a dizer a meu favor que sou viciada em malas e sapatos e nestes saldos não comprei nenhum deles. E além do casaco ser lindo e muito caro, óbviamente que não é de pele verdadeira. Eu não iria usar um animal morto em cima de mim, nem percebo porque continuam com essa história quando hoje em dia se fazem casacos tão bons e luxuosos como o meu em pelo sintetico.
Aqui ficam as imagem de como o casaco é e o personagem que eu imagino ser quando o visto :-)

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

O desespero, de nao querer deixar quem se ama partir.


E esta tarde a Kitie morreu. Foram 17 anos aqui em casa sempre com muita alegria. Os nossos corações estão tranquilos porque sabemos que foi uma gata feliz, bem tratada e com muito amor. Agora vai encontrar no reino dos gatinhos os amiguinhos Biscuit e Merlim que também habitaram a nossa casa e já partiram. Agora somos uma familia mais pequena, eu, os pais e os dois cães.

Tenho um demónio ruivo na cabeça


Mais propriamente no cabelo. Já ando há mais de 1 mês a pensar em ficar ruiva. Acho que me ia ficar bem, tenho a pele clara, algumas sardas (do sol) olhos verdes, pelo que me parece que no conjunto não ia parecer estranho. Depois relaciono o cabelo pintado de ruivo à história da fénix renascida e para quem se quer reinventar não há nada melhor. Mas tenho que o merecer. Ainda não fiz o suficiente por mim e para mim para merecer essa transformação exterior. Ainda estou a encaixar muitas pecinhas cá dentro. Vou sêr positiva e trabalhar com afinco e talvez em Março já mereça ser ruiva.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

No desiquilibrio... o equilibrio


Sempre pensei e sempre disse que sou uma pessoa desiquilibrada, para espanto de quem me rodeia que pensa sempre que tenho bom senso sou ajuizada não faço disparates. Talvez seja verdade, quando digo que sou desiquilibrada significa que não sei fazer seja o que for a meio termo. Ou faço dieta ou não faço. Sou incapaz de fazer pequenas privações todos os dias só para manter peso, acho isso um castigo. Ou faço exercicio á séria ou não faço, se é para ir 2 vzs por semana mais vale ficar alapada com o rabo no sofá que o efeito é o mesmo. Se gosto de alguém gosto mesmo e faço o que posso e não posso por essa pessoa, se me é indiferente ás vzs passo na rua e nem a reconheço. Sou intensa em tudo o que faço e para extremos. Ou faço muito e faço bem, ou não faço nada e não quero saber. Durante muitos anos pensei que as coisas más que aconteciam na minha vida residiam nesta minha maneira de ser e que tinha mesmo que mudar isso. Hoje vejo que é precisamente nesse desiquilibrio que reside a minha força e estabilidade. Se tiver que tropeçar e cair porque apostei no cavalo errado fico toda escaqueirada, parto a cara de certeza. Depois tenho o oposto, estando o mal feito levanto-me de uma forma extraordinária. Extrema também. Em dois meses passei de uma pessoa que se desleixou e voltou a engordar, que chorava, que não tinha forças para sair da cama e enfrentar um dia inteiro, que se fechava em casa e não lhe apetecia conversar e afastava tudo e todos, para neste Janeiro já estar a fazer dieta direitinha sem qualquer esforço, exercicio fisico todos os dias, voltei ao curso de espanhol, voltei a sair com os amigos e a socializar e ainda arranjo tempo para ajudar uma série de pessoas. Aprendi que não posso mudar a minha natureza, apenas ter cuidado com as circunstâncias. Sei que vou cair muitas mais vezes, mas garanto que de cada vez que isso acontecer me vou levantar ainda mais deslumbrante que anteriormente.

domingo, 16 de janeiro de 2011

Sobre como os outros nos veêm


Ontem a minha prima Zé esteve cá em casa e trouxe uma prenda de Natal atrasada porque ainda não tinhamos estado juntas. Ela estava com medo que eu não gostasse. Quando me deu o saco disse, sabes quando eu as vi pensei logo em ti e no tipo de mulher que tu és. Só te conseguia imaginar a ti com elas calçadas. Espero que te sirvam e que gostes. Bom eu fiquei muito curiosa e quando abri o saco tinha lá umas luvas pretas super sofisticadas daquelas que vão acima dos cotovelos com uns botões em pele a acompanhar o interior da luva juntinhos quase como se fossem atilhos de um corpete. Claro que eu amei a prenda e vou usar. Mas ás vezes fico confusa entre aquilo que sou, o que quero ser, quem mostro que sou e quem deveria mostrar ser. É que eu opto por usar jeans, camisolas simples, ténis e botas. Ok, gosto muito de certos acessorios e uso. Tenho o roupeiro cheio de vestidos deslumbrantes com sapatos e malas a condizer, alguns até têm colares feitos de tecido ou aplicações para o cabelo iguais á roupa e depois raras vezes os consigo usar porque toda a gente olha para mim na rua e eu fico com vergonha. Uso quando saio com um homem com bom gosto e sinto-me bem por andar assim vestida com ele na rua, quase como se estivesse protegida dos olhares alheios. Mas se for numa saida só de raparigas, embora vá bem maquilhada e vestida, vou de uma forma que não quero de notem a minha presença. Isto é uma confusão, quase que pareço um transexual que tem dificuldade em se assumir. Tenho que mudar isto este ano. Eu gosto de lingerie sexy e de meias de liga e baton vermelho, saltos altos e vestidos deslumbrantes, usar chapeus, luvas tais como as que recebi ontem e isso simplesmente isso faz de mim uma mulher coquette, mas a forma como me olham quando me revelo assim deixa-me desconfortavel. Pois que se lixem esse olhares de gente que eu não conheço. A familia sabe quem sou e gosta de mim como sou e sabe vêr isso tão bem que a prova foram as luvas que eu recebi ontem. Um dia alguém me disse - olhos profanos não veêm quem és. Pois hoje eu digo, problema que quem tem esse olhar, certo?

sábado, 15 de janeiro de 2011

O post mais longo deste blog


É inteiramente dedicado a ti sapatinho. É feito aqui porque eu prometi que não te contactava mais. Agora, este diário é meu e eu escrevo aqui aquilo que bem entender e porque tu me amas eu sei que vens cá vêr. Todos os outros posts aqui colocados em que o assunto eras tu, foram deliberados. Não só porque eu tinha necessidade de os escrever, mas porque queria que tu soubesses o quanto sei da tua vida, como eu entendo certas coisas que tu fazes e mesmo assim não te odeio. Nunca odiei ninguém, não faço ideia do que isso seja e espero nunca vir a saber. Amo-te de igual forma, nem a mais nem a menos. Mas tu cumpriste a tua parte comigo. Vê o quanto eu estou a crescer! Já me levantei, ainda estou a tentar transcender certas coisas que me magoam e incomodam mas o sofrimento quando é bem canalizado, purifica, limpa a alma. Tenho a certeza que já sou melhor pessoa do que quando te conheci, que já sei mais sobre mim e até já descobri a etapa que tenho que ultrapassar para subir mais um bocadinho na montanha. Tudo graças a ti. Como poderia não te amar? Como poderia não te querer bem, não te ajudar? No último email que te enviei estava lá a pergunta certa para que tu também possas crescer. Vou relembrar-te: Porque é que eu estou na tua vida? Porque é que eu me cruzei no teu caminho há 3 anos? Tu ainda não sabes a resposta pois não? Este é o último post dirigido a ti e a minha forma de te ajudar, porque sinto que não me deixaste cumprir a minha missão ctg nem aproximar o suficiente para te ajudar. Afinal tu és auto-suficiente, resistente, duro, não precisas de amigos, não precisas de explicar as coisas que se passam no teu coração e as conversas são mantidas no minimo, para não tocar lá na ferida. Cada vez que eu me aproximava e fazia perguntas tu já suspiravas, sabias que eu rondava o assunto, mas não te consegui ajudar como queria, tu não deixaste. Aqui fica a verdade (é só para nos os dois, todos os meus amigos ouviram falar de ti mas na realidade ninguém te conhece). Tu pensas que és emocionalmente estavél, mas não és. Dás muita insegurança a qualquer pessoa que queira estar contigo. Dás brilho, dás momentos únicos verdadeiros tesouros, qualquer mulher que tenha 10% do que eu tive ctg vai ter de certeza momentos muito especiais para guardar no seu coração. Mas tu não és como te vês. No fundo não queres nenhuma amarra, estás tão magoado e já magoaste tanto que não queres passar por tudo de novo. Eu sei porque me abandonaste, porque ficar e apoiar era demonstrar amor, era ficares um pouco mais preso a mim e tu tens medo disso. Pensa nisto que eu te disse, mas pensa a sério porque é a verdade. Lembras-te quando um dia te disse num exemplo disparatado, que se alguém te desse um tiro eu te cobria e o tomava por ti? Não é porque a tua vida valha mais que a minha, é porque viver sem tu cá estares neste mundo não faz sentido nenhum. Entendes agora o que é sentir e viver o amor a sério? É isto. Quando sentires verdadeiramente que dás a tua vida por alguém, nessa altura o teu coração pode serenar porque sabe o que é o verdadeiro amor. Eu estive aqui 3 anos de mão estendida a tentar segurar-te e mostrar o que tinhas a aprender cmg e falhei, porque tu ainda não sabes o que é amar assim. A verdade é dura, mas tem que ser dita. Sem qualquer manipulação da minha parte, até porque há coisas em que só eu acredito e só eu sei que são verdadeiras (estatuto das hiper sensiveis) eu sei que nós somos um do outro e que tu és a minha cara metade e eu a tua. Mas eu sei isso com uma convicção de que se não for nesta vida que isso se resolve será numa próxima. Estas são as minhas crenças e os meus valores e eu vivo bem com elas. Não te estou a dizer que só podes ser feliz comigo e só me podes amar a mim. Podes perfeitamente encontrar alguém que a partir deste ponto faça um plano de vida ctg. Podes vir ter comigo se quiseres, podes partir com quem quiseres, mas só o podes fazer quando destrancares o teu coração. Era essa a minha missão ctg, mostrar que podes amar de novo e confiar. Lamento só ter possibilidade de o fazer desta forma. Agora eu sigo por uma estrada e tu por outra. Ainda não estavamos preparados para caminhar juntos. Faz o teu percurso com fé e com generosidade, tenho a certeza que vais conseguir. Eu vou estar sempre aqui como aquele pirilampo que dá luz á noite escura, podes recorrer a mim se quiseres, para o que quiseres ou não. Poderá haver uma encruzilhada em que nos voltemos a encontrar ou não. O que importa agora é que faças um novo caminho com estas ferramentas que eu te dei, porque eu já estou a fazer o meu com aquelas que tu me deste. Estou grata, de mim terás sempre a outra face.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Sobre o bom senso


Ontém por volta das 15h fui fazer a minha caminhada para o circuito de manutenção. Quando lá cheguei o termometro do carro marcava 6 graus e estava um nevoeiro que a 3 metros não se via um palmo do nariz. Mas tudo bem eu sou adulta e decidi tomar de novo as redeas da minha vida e isso passa por fazer dieta e as caminhadas (desde que não chova). Entretanto a meio do percursso vi a coisa mais espantosa! Uma senhora em fato de treino a empurar um carrinho de bebé, daqueles em que ainda se coloca o ovo para a criança (sinal que ele era mesmo pequenino), no meio do frio e do nevoeiro. Das duas uma se era a ama é uma ama louca, se era a mãe mais doida é! Como é que se sacrifica um bebé tão pequeno a estas condições? Até eu que não sou mãe sei que quando são pequenos do que mais sofrem é de doenças respiratórias e a humidade o frio e o nevoeiro em pleno parque, claro está fazem lindamente à saúde de quealquer bebé!
E ainda por falar em bom senso e aqui junto um pouco de sensibilidade também... ontem comprei a Vogue tão só e apenas por causa do baton. Quando a vogue lançou o 1º número em Portugal também vinha com um baton de oferta e eu comprei. Há primeira vista a revista não me pareceu má de todo, por isso apesar de cara comprei o 2º número, quando não é o meu espanto e vejo um editorial de moda em que eles recomendam uns sapatos com salto de marfim. Será que as senhoras da vogue pensam que os dentes de marfim crescem em árvores? Será que lhes passa pela ideia que muitas vezes os arrancam aos pobres animais estando eles ainda vivos? Sem falar no óbvio, que vão matar animais inocentes e que andam na sua vidinha sem chatear ninguém apenas pelo lucro facil e pela dor. Mas ás vezes não há tempo para pensar nesses pequenos nadas, as futilidades vêm primeiro. Crime é não comprar uma mala Chanel que esteja com 30% de desconto. Enfim, desta vez não vi nenhuma aberração desse género na revista, mas a mesma continua uma merda. 60% de publicidade, 20% de editoriais de moda com sugestões que ninguém pode comprar e outros 20% de conversa fiada. Valeu pelo baton, que a revista já esta no lixo.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

As palavras que nunca te direi


Essas são ditas aqui, porque é a escrever aqui e a pensar naquilo que me acontece, afinal este blog não deixa de ser um diário, que eu encontro as soluções para a minha vida e desta vez já sei o que fazer. Tenho simplesmente uma necessidade de me reinventar em todos os sentidos. Esta Susana toma medicação para não chorar e não se ir abaixo, por ter feito aquilo que ele não conseguia fazer. Ás vezes as pessoas pensam que o fim de uma relação acaba por deixar ressentimentos, ódio, raiva, coisas por dizer. Na nossa não. Ele conhece-me bem (embora ainda lhe falte tacto para conhecer os meus limites) e eu conheço o meu sapatinho muito melhor do que aquilo que ele alguma vez pensou. Percebi que estavamos a fazer mal um ao outro estando juntos nestas circunstâncias. Eu exigia aquilo que ele não podia dar e eu sei porque é que ele não dava. Ainda assim ele era incapaz de me olhar nos olhos e dizer não te amo, não te quero vêr mais. Andamos sempre num equilibrio complicado. Ele tem um passado que lhe pesa e muitas mágoas que não esquece embora para o resto do mundo aparente que está tudo bem, menos para mim... é tão dificil esconder-me algo. Deve ser mesmo por isso que sofro de hiper sensibilidade. Ele sabia que eu sou o que de melhor ele pode ter na vida (sim falo no presente porque continuo aqui da outra margem do rio a amar da mesma forma). Muitas vezes falamos sobre a forma como eu amo quem ele é e não aquilo que ele faz ou aquilo que ele tem. E todo o passado dele foi sobre aquilo que ele fazia e aquilo que ele tinha, e nem sequer quero julgar o casamento que ele teve porque não conheci e não estive lá para vêr, mas há coisas que eu sei. Sei que é mais fácil sentirmo-nos inclinados a amar alguém por aquilo que aparenta ser ou que nos pode proporcionar, por um estilo de vida que se possa ter um conjunto. Não estou a dizer que isso não seja amor, mas é um amor diferente daquele que nós temos e que ele sabe que precisa. Sei também que amar muito alguém não é sinónimo de saber amar essa pessoa e foi isso que eu tentei fazer. Fazer a parte que lhe cabia a ele porque ele não conseguia sozinho e eu vi isso. Para ficar comigo ele tem que se libertar do tipo de vida que leva. E nós quando estamos em situações limite e precisamos de sobreviver fazemos tudo quanto pudemos para nos manter-mos á superficie. Neste momento ele não sabe ainda como deixar de viver dessa maneira, mas sabe que isso impossibilita uma vida em comum. Há coisas que ele não podia explicar e outras ás quais é dificil virar as costas quando amamos alguém e precisamos desse alguém todos os dias. Acabou por me colocar numa situação que não queria, ser eu a optar, porque ele não conseguia afastar-se de novo. Sacrifiquei-me e fiz isso por ele, terminei eu e afastei-me sem o querer fazer porque vi que se não o fizesse não iria sobrar nada de bom do muito que tivemos. Mas já não consigo viver assim, viver com as saudades que sinto, com a dúvida com o facto de não ter noticias. Fiz o que devia ter feito e não sei viver com a minha atitude. Não posso voltar atrás, mas posso reinventar-me. Criar uma Susana nova que não sofra e não pense nestas coisas. Porque se um dia ele quiser voltar, volta um homem novo, com novas circunstâncias e sem medo de investir a sua vida num novo projecto, porque a vida não é para viver a meio gás, e este modelo que ele vive já está esgotado. E eu também terei que ser uma Susana nova, para aceitar esse novo homem que se libertou do esquema de vida em que vivia e se deixou das cenas do lobo solitário, porque ele sabe que se há alguém que lhe envolve o coração em algodão doce e o segura com ambas as mãos, esse alguém sou eu|. Não sei se esse dia vai chegar ou essa porta se vai abrir, apenas sei que tenho que continuar a fazer a minha parte e ele fará a dele como homem inteligente que é. Eu vou reinventar-me... ele podia libertar-se da teia em que vive.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

E hoje estou assim


Tudo por conta das novelas da tvi. Fiquei toda contentinha quando soube que iam passar a série Os Pilares da Terra. É que por muito interessante e bem escrito que me pareça, estamos a falar de 3 livros para saber a saga completa, tendo em conta que devo ter uns 30 livros a piscar-me o olho na estante era bem melhor vêr a série e o assunto ficava arrumado. Pois a intenção era boa, o sono muito e aguentei-me estoicamente até á 1h da madrugada para vêr o primeiro episódio. Se estivesse a trabalhar isto seria impossivel de fazer. Eu até sou a favor da ficção nacional e acho que se fazem novelas com boa qualidade actualmente, embora neste momento não siga nenhuma, porque ás horas que dão ou não estou em casa ou prefiro vêr as séries da fox, ou ler. Agora tenham pena de nós, 3 novelas de seguida? Como é que eu vou fazer esta noite para conseguir vêr o 2º episódio?

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

E assim passa mais um dia


Ontém à noite já tinha o dia de hoje todo organizado com as tarefas que tinha que fazer mais as compras de supermercado e ainda dar uma ajuda na mudança de um familiar. E já é muito para quem toma a medicação que eu tomo, mas com boa vontade tudo se faz. Pois assim que me levantei o dia mudou radicalmente. Este meu bichinho fofo está a morrer. Ok a Kitie é velhota já tem 17 anos o que para um gato é muito bom e já era altura de nos irmos habituando á ideia. Mas a verdade é que nunca estamos preparados para isso. Nem para perder aqueles que a morte os leva (por mais ou menos espectável que seja) nem aqueles de quem o destino nos separa e que embora vivos nós sabemos que vão ser sempre nossos e ter um pedaço do nosso coração, o nosso perfume entranhado no corpo, a nossa pele na sua pele. Ninguém esta preparado para perder alguém seja de que forma for. Quanto ao meu dia, os planos de ontem já não existem. Engraçado, é mais ou menos o que acontece com a vida, fazemos planos, mas nunca sabemos que planos a vida tem para nós. Passei a manhã no veterinário com a gata que sobreviveu, vai tomar a medicação e melhorar um pouco, mas ele já avisou que é uma questão de meses. E a tarde vai ser passada no centro de saúde com a minha madrinha que está com uma daquelas gripes que mal consegue estar em pé. Enfim um dia perdido, ou ganho conforme o ponto de vista, mas passado nos médicos. Na próxima vida podia já vir com uma sirene na cabeça... era só uma ideia.

domingo, 9 de janeiro de 2011

Elegância


A elegância é inata. Não tem nada a ver com o facto de estarmos bem vestidas. Elegância é saber dizer não.

Diana Vreeland

sábado, 8 de janeiro de 2011

Definir Alguém


Ontém fui vêr o fime O Turista e gostei bastante. Gostei de uma cena em que ele lhe pede para ela definir o homem por quem está apaixonada e a única palavra que lhe ocorreu foi diferente. Identifiquei-me imediatamente com aquela situação, porque ás vezes quando me perguntavam porque é que eu estava tão apaixonada pelo sapatinho, o que é que ele tinha de tão especial a única palavra que me vinha á cabeça era - diferente. Porque ele era realmente diferente de todos os homens que amei, talvez até tenha sido mesmo o único que amei até hoje. Claro que no filme o turista, ele acaba por se revelar esse homem por quem ela está apaixonada, vai salva-la e dá a sua vida por ela se for preciso. Era um homem diferente. Mas isto só acontece nos filmes. Na vida real uma das lições que "uma mulher de trinta" deve saber de côr e salteado é que temos nós que nos salvar a nós próprias. Não vale a pena esperar por esse alguém de amor puro, honestidade, e que pensa que é impossivel viver uma vida sem nós, porque por muito "diferente" que ele seja, esse alguém nunca vai chegar a vir.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Vou parar ao inferno ou ter umas longas férias no purgatório


Eu já tinha contado que no dia 31 a bateria do bolinhas morreu. Foi trocada por uma nova, só que fiquei com um novo problema... desprogramou o auto rádio do carro. Eu e o auto rádio do bolinhas nunca tivemos uma boa relação e adivinhem lá quem é que se entendia ás mil maravilhas com ele e sintonizava tudo o mais alguma coisa? Pois, o sapatinho. Estava fora de questão eu ligar e dizer preciso de ajuda para reanimar o auto rádio do carro! É que nenhum homem gosta de ser deixado e quanto muito ele mandava-me ás urtigas (se bem que em matéria de quem deixa quem, não estamos quites, ele deixou-me mais vezes que eu a ele). Era impensavel ligar para ele, então andei a mentalizar-me uns dias, fui ao livro de instruções finalmente e ao fim de 15 minutos de volta daquela porra já estava quase a roer o volante e aquilo não aceitava código nenhum. Bom, respirei fundo e pensei, nem todos sabemos fazer tudo bem e eu e a electrónica não temos futuro juntos, mas há coisas para as quais tenho um talento nato. Vai daí levei o bolinhas até á renault (onde eu não tinha trocado a bateria, mas comprei lá o carro e conheço minimamente bem o pessoal que lá trabalha). Assim que vi o recepcionista que me atende sempre fiz um drama, que não encontrava o código e que já estava nervosa, nem pudia olhar para o carro já! A aflição foi tanta que o homem pensou que me ia dar uma coisa má. Depois pestanejei um bocadinho fiz beicinho e ele deu-me o código, mais dois ou três suspiros e já estava comigo dentro do carro a explicar como o colocava e a programar o bolinhas novamente. Fiz um sorriso de quem me tinha salvo o dia, ele saiu de lá a sentir-se um heroi e ainda me desejou bom ano. Não me cobrou nem um cêntimo e disse que se os vidros não tivessem bem depois do corte de energia que podia voltar lá que ele dava um jeitinho. Cada um tem jeito para o que tem. Já agora, eu vou parar ao inferno não vou?

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Prendinha de dia de Reis


Porque os espanhois só dão as prendinhas de natal nesse dia, eu acabei de receber uma encomenda enviada pelo meu amigo Juan que vinha mesmo a calhar e é linda de morrer. A minha é castenha em pele de crocodilo e eu vou já colocar lá todas as coisinhas essenciais que devo ter sempre comigo e assim é mais facil trocar de mala, entre as 20 que tenho espalhadas pela casa. E ainda a propósito deste post é impressão minha ou os homens portugueses são muito menos gentis que os outros? Dentro da minha experiência, os meus amigos espanhois, franceses e argelinos são muito mas muito mais atenciosos que os portugueses. Quando estou de férias no país deles, assim que saiem do trabalho telefonam logo para saber onde estou, vão as compras comigo, entram em todas as lojas e ajudam a escolher o que me fica melhor, cozinham para mim, planeiam visitas e passeios comigo e nunca mas nunca me deixam sozinha. Tenho dois amigos portugueses que são uma versão aproximada destes, mas mesmo assim ainda deixam muito a desejar. Não deve ser de mim, porque eu sou a mesma aqui em Espanha ou em França. Será que é da cultura portuguesa? Com quem pudemos realmente contar?

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Depois de mais uma consulta


O médico disse que lhe pareço melhor. De facto estou muito melhor. Tivemos uma boa conversa, disse-lhe que tenho medo que as melhoras sejam "falsas" se devam só á medicação. Ele tranquilizou-me, diz que é 50% meu e os outros 50% da medicação, mas e há sempre um mas... a hiper sensibilidade emocional não se cura de um momento para o outro. Continuo a não me puder expor a situações de muito stress a pessoas que me destabilizem ou perturbem nem a situações emocionalmente desgastantes, logo mais baixa. Claro que isto é um extremo porque basta colocarmos um pé fora de casa, irmos trabalhar socializar, termos relacionamentos que tudo quanto me é proibido expor aparece em doses industriais, acho que a isso se chama viver...
Mas não vai ser sempre assim, ele só quer que a minha cabeça esteja um bocadinho mais forte mais estavél, em vez de me enviar já aos bichos e o tratamento ir por água abaixo. Mas no fundo estou melhor e só lá volto no final de Fevereiro, é sinal que o tratamento esta a funcionar e que ele confia em mim.

E com isto também

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Burlesque


Estava eu deitadinha no sofá tapada com a mantinha quando de repente ouvi em casa Burlesque! Dei um pulo do sofá (eu que tinha jurado que nada me faria ir á cidade) e disse, esperem por mim rapaziada que também vou. 10 minutos e estava pronta.
Valeu bem a pena, é dos melhores musicais que já vi em filme. Enquanto assistia ao filme, fez-se luz em mim e lembrei-me de uma coisa... Não conto já. Daqui a uns meses revelo no blog.

domingo, 2 de janeiro de 2011

Christina Aguillera - Beautiful


Para me lembrar todo o ano! As asneiras e os momentos menos bons de 2010, mesmo que façam parte do primeiro post de 2011, já não têm lugar este ano.

sábado, 1 de janeiro de 2011

Fiz Asneira...


Bom, para começar ano novo, cores novas no blog. Este será um ano cor de rosa. E o que é que comprei para estrear no 1º dia do ano? Umas cuecas cor de rosa e um fato de treino de veludo rosa velho lindo de morrer. Já sabia que ia ficar no monte e para andar por aqui não é preciso roupa chique. Aliás nem convém nem eu hoje ponho os pés na cidade. Esta é a parte boa, quanto ao resto... nem sei bem por onde começar. Ontem a seguir ao almoço ia sair com o carro e o bolinhas ficou sem bateria. Lá chamei a assistência em viagem que o reanimou, mas eu fui direitinha com ele a oficina porque sabia que a bateria tinha 4 anos e já há alguns meses andava a dar sinal de que alguma coisa não estava bem. Eu fui deixando passar até que no ultimo dia do ano ela decidiu que não queria mais acompanhar o bolinhas em 2011. Cheguei a oficina furiosa, porque os ultimos dois meses o carro só me tem dado despesas inesperadas, porque já devia ter ido trocar a bateria, porque devia ter confiado na minha intuição, mas não... quando me disseram é normal acender a luz da bateria quando ligas o carro não há nada de errado se depois apaga eu acreditei. Afinal ele também é o único que sabe sintonizar e fixar as frequências de rádio no meu carro, porque é que não havia de ter razão nisto? Cheguei lá e esperei 1h. E durante esse tempo passou-me uma coisa má pela cabeça e enviei uma msg ao sapatinho!!
Porque quando estou aflita ou nervosa faço sempre isto, tlf ás pessoas de quem mais gosto ou em quem mais confio para desabafar e a 1º pessoa que me veio á cabeça foi ele! Não me atrevi a telefonar porque tive medo que não atendesse e depois aquela hora de espera na oficina ainda ia ser mais dolorosa. Mandei uma sms, a contar o que se passava e como já me andava a morder a consciência o facto de não ter dito nada no natal desejei-lhe um bom ano e disse que já não estava zangada e que me sentia melhor. Ainda lhe disse que queria muito que fosse feliz mesmo sem mim!
Hunnnfff eu não tenho emenda! Mas porque é que sou tão impulssiva? Bem já sabia que ele não me ia responder, faz parte do jogo psicológico dele, daquela cena do lobo solitário e da teia onde se emaranhou e não consegue sair dela. Também lhe disse que não era preciso responder a sms. Isto só prova que o meu caminho este ano, para ser completamente independente dele vai ser bem mais comprido que aquilo que eu pensei.
Vou propor ao psiquiatra na proxima consulta uma lobotomia? Já não quero saber, só faço asneiras, não me desliguém só o cérebro, o coração também, aliás deixem só os intestinos a funcionar para me redimir dos pecados da gula nestes dias.