terça-feira, 21 de agosto de 2012

Sempre em casa

Conseguir fazer da casa dos outros a nossa casa é uma felicidade. Não sei se uma arte, ou apenas uma questão de sorte. A verdade é que sempre que tive que viver longe do espaço que considero o meu lar, fosse em Portugal ou em Paris, me dei lindamente. Desta vez estou novamente longe de minha casa, mas vivo como se estivesse no meu lar. Acho que aquilo que faz com que um determinado espaço se torne o nosso lar é quem lá vive e nesse aspecto viver com o meu namorado é fácil, mesmo não sendo em minha casa. Estando só os dois é muito fácil manter os hábitos que já tinha, dividir espaços nunca foi dificil para mim. E é giro chegar a esta nova casa e ter o cão que não é meu, á janela á minha espera, ter a cozinha arrumada como eu gosto e a roupa já pronta para arrumar, ah e um computador no qual não sei colocar os acentos correctamente. Já conheço os sons da casa, do prédio e até as horas a que recolhem o lixo. E gosto desta dinâmica de viver longe de espaço que sempre conheci, de ir comprar o pão e a fruta a novas lugares, de comparar preços e formas de viver e ainda assim conseguir estar sempre bem, seja onde for. Esta não é a minha casa, senão seria assim...


de qualquer forma é fácil viver aqui.

2 comentários:

Imperatriz Sissi disse...

Home is where your heart is...

Ao Virar da Esquina disse...

E se tivermos um coração grande pudemos ter tantas casas!