terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Um novo olhar...

O ano que passou foi repleto de muitas emoções, acontecimentos, mas acima de tudo sabedoria.
Aprendi que perder alguém é sempre um processo gradual, mas há um instante em que percebemos que é/foi definitivo. Quando estive em Cabo Verde de férias, houve uma manhã que dediquei a comprar as recordações que trago sempre das viagens. Escolhi alguns colares para familiares minhas e quando voltei ao hotel e os estava a comparar com os que o namorado tinha comprado, comecei a pensar que faltava um. Havia um que eu não tinha comprado e olhei para eles de novo e revi mentalmente a lista de pessoas a quem queria oferecer um colar. Foi nesse preciso momento que percebi que tinha perdido a minha mãe. Com ela ainda viva em Portugal, eu sabia que jamais iria usar o colar que eu compraria naquela viagem e o meu cerebro processou imediatamente aquele sentimento e transformou em decisão sem que soubesse o que estava a fazer.

Tive a confirmação que tudo acontece por um motivo e no momento certo, quando há 3 semanas tive um acidente com o carro. Não foi grave, mas vou ter que o reparar e o dinheiro que tinha posto de parte para um projecto vai ter que ser usado para a sua reparação. Curiosamente, só ontém a noite é que entendi o que é que vou ter que protelar e porque motivo tive aquele acidente.

Foi também um ano em que percebi o que efectivamente significa uma perda. O que é estar voluntáriamente ou não, e quem é importante na minha vida. Foi o ano em que aprendi que todos os momentos que passamos com quem amamos são poucos e que a vida nos pode "roubar" essa pessoa a qualquer instante. Foi quando deixei de acreditar em desculpas. Nas mais diversas, do não posso, não consigo, não sei como fazer, não tenho mais para dar. A vida é curta demais para essas desculpas e quando nos são dadas, não é por falta de amor por nós... é por excesso de amor por si. Nunca tinha percebido que existem pessoas assim. De vez em quando todos temos um acto de egoismo ou umbiguismo. Também eu sou culpada disso quando me sinto cansada, quando invento desculpas quando me apetece dormir em vez de fazer aquilo que sei que deve ser feito. Não sou melhor nem pior do que ninguém nesse aspecto. Descobri foi que existem pessoas que são sempre assim, porque é isso que elas são. O seu amor por elas próprias está acima de tudo e de todos. Não vou avaliar... por vezes é bom... outras nem tanto. O que eu sei é que essas são as pessoas que nos dizem que estão lá, mas com as quais nunca pudemos realmente contar, porque o seu amor vem sempre primeiro.
Como diz o outro... faz falta quem está! E este ano senti falta de algumas pessoas em momentos cruciais da minha vida e tive outras, (ás vzs até as mesmas, confusas nos meandros dos seus próprios caminhos), a segurarem-me quando eu mais precisei.
Sim, a minha mãe faz falta... mas já cá não está. Mas estão cá uma série de pessoas que me fazem muita falta e eu nem sabia disso! Foi o que o ano de 2012 de trouxe...


2 comentários:

Palco do tempo disse...

que 2013 seja um ano feliz **

menina lamparina disse...

Este post está fortíssimo. Que o ano que está agora no início te traga muitas surpresas boas. :*