quarta-feira, 9 de maio de 2012

Na vida, tal como nos paraquedistas...

pudemos usar o mesmo principio - quando há dúvida, deixa de haver dúvida.
Ontém tive cá em casa um priminho meu que está com um grande dilema amoroso - não sabe para onde deve cair. Cá por mim é simples... para lado nenhum.
Nunca me aconteceu estar apaixonada por duas pessoas ao mesmo tempo e não me conseguir decidir entre elas. Existem escolhas que fazemos só com o coração, outras só com a cabeça e raras vezes temos a sorte de usarmos estes dois mecanismos para sabermos o que queremos. Também entendo que mesmo amando alguém, eventualmente um dia possa surgir de forma involuntária alguma atração por outra pessoa, mas que não passa disso. É essa a diferença entre nós e os animaizinhos, nós devemos saber manter um compromisso, sabemos a quem somos fieis e leiais e aquilo que queremos para a nossa vida. Sabemos quem é importante para nós e quem queremos manter na nossa vida, não deixando por isso que uma simples atração coloque em causa a nossa felicidade. De qualquer forma neste caso nem era isso. Ele acredita realmente que gosta das duas. Encontra em cada uma qualidades diferentes e motivos diferentes para estar com ela. Eu não acredito nisso. Acho que quando se pensa que se ama duas pessoas ao mesmo tempo, na realidade não se ama verdadeiramente nenhuma delas. Nenhuma é inteira, nenhuma é a outra metade ou o encaixe perfeito na nossa engrenagem. Por isso o conselho que lhe dei, foi que ficasse sozinho. Amor pela metade não é justo para ninguém e talvez um dia surja alguém que ele ame em toda a sua plenitude.

2 comentários:

Turista disse...

Querida Esquina, estamos a dar início ao desafio "As Amantes do Verão", com a publicação das regras do desafio.
E como tu tinhas dito que gostavas de participar, venho avisar-te. :)
Beijinhos.

Ao Virar da Esquina disse...

Obrigada, já vi e vou tratar de responder :-)