terça-feira, 4 de abril de 2017

A Correspondência



Descobri este filme meio por acaso, na semana passada, e tornou-se num dos meus favoritos de sempre. Chorei quase todo o filme (ainda bem que o vi sozinha), mas não foi por tristeza, foi por encontrar nele tanta verdade. Foi por entender como se pode amar um homem 20 ou 30 anos mais velho do que nós. A diferença de idade só produz a noção de abismo para quem está de fora. Quem vive uma relação com a essa diferença, só se sente mais seguro e mais próximo do outro, estranhamente parece que esse amor se torna mais verdadeiro e absoluto. Afinal 20 anos de diferença não torna nada ridiculo, apenas confirma que não existe ninguém mais "certo" para nós do que aquela pessoa. 
Depois deu-me um imenso prazer reconhecer que eu faço parte do pequeno grupo de mulheres que nunca vai invejar outra pelo amor que ela vive, com base no sentimento de que nunca irá ser amada por um homem extraordinário, de forma estraordinária.
Este é um filme especial, que fará todo o sentido para quem teve, ou tem uma história de amor também ela especial.

2 comentários:

Maria disse...

não vejo filmes há tanto tempo :(

Susana Correia Dos Santos disse...

É porque fazes outras coisas boas :-)